IPC-S tem menor taxa em 3 anos; 2010 deve ter taxa maior

Aumento do salário mínimo e reajuste da tarifa do ônibus devem pesar sobre o índice neste início de ano

Flavio Leonel, da Agência Estado,

04 Janeiro 2010 | 14h29

O coordenador do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), Paulo Picchetti, afirmou hoje que o indicador da Fundação Getúlio Vargas (FGV) acumulou em 2009 a menor taxa de inflação desde 2006, quando atingiu a marca de 2,06% na área que abrange sete capitais do País: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador e Recife.

 

Em 2009, o IPC-S apresentou taxa de 3,95% ante resultados acumulados de 6,07% em 2008 e de 4,60% em 2007. "O número ficou bem perto das previsões iniciais de 4%, sem grandes surpresas. Ficou abaixo do resultado de 2008 e isso se encaixa no cenário de crise, que teve queda nos preços das commodities e desaceleração grande no nível de atividade no Brasil", observou.

 

VEJA TAMBÉM:
Inflação medida pelo IPC-S fecha 2009 com alta de 3,95%

Questionado se teria uma previsão para o IPC-S em 2010, Picchetti respondeu que uma taxa de 4,50% seria uma taxa condizente com o atual cenário que está sendo observado para o País, de retomada da atividade econômica e aumento de demanda.

 

Logo para o início deste ano, ele destacou que há um conjunto de fatores que tende a puxar a inflação ao consumidor para cima, como o reajuste de 17,4% anunciado pela Prefeitura de São Paulo para a tarifa de ônibus do município e o aumento autorizado pelo governo federal para o salário mínimo, que passou a R$ 510 em janeiro e tende a influenciar os custos dos consumidores especialmente com o salário de empregadas domésticas.

 

Para Picchetti, mesmo com essas novas pressões aguardadas, o atual cenário de inflação continua tranquilo na maioria dos grupos monitorados pela FGV. "Ainda estamos vivendo uma situação de retomada, mas não é a inflação que será o principal foco de preocupação na análise da economia", disse.

Mais conteúdo sobre:
inflaçãoIPC-SFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.