IPCA-15 cai para 0,40% em março (0,90% em fevereiro)

A inflação medida pelo IPCA-15 caiu para 0,40% em março, ante 0,90% em fevereiro, segundo divulgou esta manhã o IBGE. A redução de um mês para o outro foi provocada pela desaceleração nos reajustes das mensalidades escolares e dos alimentos. Os preços para cálculo foram coletados no período de 11 de fevereiro a 12 de março e comparados com os preços vigentes de 15 de janeiro a 10 de fevereiro. A variação das mensalidades escolares, que chegou a 8,17% em fevereiro, foi de 0,69% em março. No caso dos alimentos, a alta desacelerou, respectivamente, de 0,65% para 0,26%, com redução nos reajustes de produtos como o feijão carioca (de 20,54% para -0,85%), arroz (de 1,65% para -0,91%), carnes (de 1,17% para - 1,91%) e tomate (de 4,57% para 1,10%). Houve deflação em produtos importantes como o álcool combustível (-8,46%) e gasolina (-0,42%). O IBGE também ressaltou no documento de divulgação - o instituto não concede entrevista sobre o IPCA-15 - que não houve em março impactos de itens importantes na despesa familiar, como energia elétrica e ônibus urbano. Dos itens que mostraram alta de fevereiro para março, os destaques, nos alimentos, ficaram com os ovos (de -1,00% para 5,55%), óleo de soja (de -0,05% para 4,75%) e café moído (0,87% para 2,35%). Destacaram-se, também, os cigarros (de 0,30% para 4,95%), eletrodomésticos (de 0,78% para 1,67%), artigos de higiene pessoal (de -0,62% para 1,14%), telefone fixo (de 0,07% para 1,60%) e automóveis novos (de 1,38% para 1,71%). O IPCA-E do primeiro trimestre, que é formado pelo IPCA-15 acumulado, ficou em 1,99%. O resultado se refere a janeiro (0,68%), fevereiro (0,90%) e março (0,40%). Nos últimos doze meses, a taxa ficou em 6,31%.

Agencia Estado,

24 Março 2004 | 10h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.