coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

IPCA-15 de março fica em 0,40% (0,44% em fevereiro)

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) ficou em 0,40% em março, resultado próximo ao de fevereiro (0,44%). Esse resultado corresponde ao topo das expectativas do mercado financeiro, assim como já havia acontecido em fevereiro. Após a alta de 9,33% de fevereiro, os preços dos gás de bujão tiveram queda de 1,33%. As mensalidades escolares, com 0,73% em março, também apresentaram variação significativamente menor em relação ao mês anterior (5,55%). Os artigos de vestuário caíram 0,54%, mais do que em fevereiro (-0,03%). Os alimentos, apesar do aumento de 4,31% no leite pasteurizado, passaram de 0,41% para 0,31%, ocorrendo queda no feijão-preto (-8,11%), frutas (-3,33%), arroz (-2,90%), carnes (-1,16%) e outros. A queda de 1,47% nos preços da gasolina foi menos expressiva do que no mês anterior (-9,78%) e ocorreu alta em produtos como medicamentos (de 0,56% para 3,19%), artigos de higiene pessoal (de 0,27% para 1,50%) e tarifas de ônibus urbanos (de 0,80% para 1,25%).Os preços para cálculo foram coletados no período de 15 de fevereiro a 14 de março e comparados com os vigentes no período de 16 de janeiro a 14 de fevereiro.IPCA-E do trimestreO IPCA-E do primeiro trimestre ? que é o IPCA-15 acumulado - ficou em 1,47%. O resultado se refere a janeiro (0,62%), fevereiro (0,44%) e março (0,40%).O IPCA-15 se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários-mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. O índice é calculado segundo a mesma metodologia do IPCA, que tem coleta de preços realizada ao longo do mês civil. A diferença entre os dois índices está no período de coleta dos preços.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.