IPCA-15 mostra inflação de 0,28% em agosto (0,11% em julho)

A inflação medida pelo IPCA-15 ficou em 0,28% em agosto, ante 0,11% em julho. A variação ficou no teto das estimativas dos analistas ouvidos pela Agência Estado (0,08% a 0,28%). Segundo o documento de divulgação do IBGE, o telefone fixo (3,39%) representou o maior impacto individual na taxa (0,12 pp) pelo segundo mês consecutivo. No ano, o IPCA-15 acumula alta de 3,91% e, em 12 meses, de 6,3%. Além do telefone, os principais impactos sobre a taxa em agosto foram dados por combustíveis e salários de empregados domésticos. Segundo o IBGE, a valorização das cotações da cana-de-açúcar provocou um aumento de 4,22% no preço do álcool combustível e de 1,14% na gasolina. Embora tenha ocorrido queda no Rio de Janeiro (-0,54%), Salvador (-0,49%) e Belém (-0,19%), o álcool teve aumento forte em outras regiões, chegando a atingir variação de 10,53% em Curitiba. Na gasolina, a alta também não foi generalizada. Houve queda em Salvador (-2,31%), Rio de Janeiro (-0,38%), São Paulo (-0,34%), Recife (-0,31%) e Belém (-0,25%). Mas o preço subiu nas outras regiões, principalmente em Fortaleza, que teve alta de 7,87%. Ainda de acordo com o documento do instituto - cujos técnicos não concedem entrevista sobre o IPCA-15 -, nos salários dos empregados domésticos, a taxa de 1,86% mostra reflexos do aumento do salário-mínimo ocorrido em maio. A explicação é que a defasagem entre o reajuste e a apropriação no índice tem por base razões metodológicas, já que o cálculo se dá a partir da média móvel de três meses. Houve queda de preços no grupo Alimentação e Bebidas (-0,67%), com destaque para a batata-inglesa (-15,08%), feijão preto (-5,69%), leite pasteurizado (-3,97%), óleo de soja (-3,48%), hortaliças (-3,05%) e açúcar refinado (-2,75%). Na energia elétrica, a conta ficou, em média, 0,65% mais barata, por causa da redução da parcela referente ao encargo de capacidade emergencial (mais conhecido como seguro apagão). Os preços para cálculo do mês foram coletados no período de 13 de julho a 11 de agosto e comparados com os preços vigentes de 14 de junho a 12 de julho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.