Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

IPCA-15 tem deflação de 0,05% em agosto

Índice continua a receber forte influência dos alimentos; em julho, taxa negativa foi mais intensa, a 0,09%

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

20 de agosto de 2010 | 08h58

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo -15 (IPCA-15) caiu 0,05% em agosto, após mostrar taxa negativa mais intensa, de 0,09%, em julho. Trata-se do segundo mês seguido de recuo do índice. A informação foi anunciada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, 20. A taxa veio abaixo do piso das estimativas dos analistas consultados pelo AE-Projeções (de -0,03% a 0,16%), que apurou mediana das expectativas em 0,07%. De acordo com o instituto, até agosto, o IPCA-15 acumula altas de 3,21% no ano e de 4,44% em 12 meses.

O índice continuou a ser fortemente influenciado pelos alimentos, cujos preços caíram 0,68% em agosto. Com isso, a contribuição da classe de despesa na formação da taxa do indicador foi negativa, de -0,15 ponto porcentual.

Segundo o IBGE, vários alimentos continuaram com os preços em queda, de julho para agosto. Entre os destaques de queda este mês estão batata-inglesa (-22,06%), tomate (-21,89%), cebola (-9,26%), açúcar cristal (-8,10%), hortaliças (-8,00%), feijão carioca (-4,78%) açúcar refinado (-3,96%),e leite pasteurizado (-1,93%). Na análise entre os produtos pesquisados pelo instituto, dentro de alimentação, a batata-inglesa apresentou a mais expressiva contribuição individual negativa na formação da taxa do IPCA-15 de agosto, com -0,06 ponto porcentual

Mas nem todos os produtos e serviços ligados ao setor de alimentação mostraram queda. O item "refeição fora" manteve os preços em alta e subiu 0,71% em agosto. De acordo com o IBGE, este item conteve, em parte, a influência de quedas nos preços dos alimentos e contribuiu positivamente com 0,03 ponto porcentual na formação da taxa do IPCA-15.

Já os produtos não alimentícios subiram 0,14% em agosto. O destaque ficou por conta da mudança de trajetória de preços no grupo educação (de -0,02% para 0,37%), de julho para agosto. Somente esta classe de despesa contribuiu contribuindo positivamente com 0,03 ponto porcentual para o resultado do IPCA-15 do mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.