Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

IPCA de janeiro é o mais baixo já registrado no mês

As tarifas dos ônibus urbanos lideraram o ranking dos principais impactos para a alta de 0,38% do índice, segundo o IBGE

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2017 | 09h09

Correções: 08/02/2017 | 12h09

RIO - A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou janeiro com alta 0,38%, ante uma variação de 0,30% em dezembro, informou nesta quarta-feira, 8, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado é o mais baixo para o mês desde o IBGE começou a medir o IPCA, em dezembro de 1979.

A inflação registrada no mês de janeiro de 2016 tinha sido de 1,27%. O índice ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que iam de uma taxa de 0,36% a 0,51%, e abaixo da mediana de 0,42%. A taxa acumulada pela inflação em 12 meses até janeiro foi de 5,35%.

As tarifas de ônibus urbanos ficaram 2,84% mais caras em janeiro, responsáveis pelo maior impacto sobre a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O item contribuiu com 0,07 ponto porcentual para a taxa de inflação de 0,38% no mês.

O ônibus urbano têm um peso de 2,61% na formação do IPCA. Com o elevado reajuste na tarifa em janeiro, o grupo Transportes apresentou o maior aumento e mais acentuado impacto entre os grupos pesquisados: 0,77%, o equivalente a 0,14 ponto porcentual.

Entre as 13 regiões pesquisadas, as tarifas dos ônibus urbanos ficaram mais caras em oito, especialmente em Brasília (14,75%) e Vitória (15,19%). Em Brasília, o reajuste de 25% vigorou de 2 a 18 de janeiro, quando foi interrompido e retornou à tarifa anterior por decisão da Câmara Legislativa do Distrito Federal. A partir do dia 28 de janeiro o reajuste de 25% voltou a ser aplicado.

As tarifas dos ônibus intermunicipais também foram reajustadas em quatro regiões. Na região metropolitana de São Paulo, o aumento de 6,65% concedido pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) aos ônibus intermunicipais vigorou de 08 a 11 de janeiro, com suspensão a partir do dia 12.

No caso dos combustíveis, houve elevação de 1,28% nos preços em janeiro: o litro do etanol subiu 3,10%, enquanto o da gasolina aumentou 0,84%. Ainda assim as despesas com Transportes foram menores do que em dezembro (a alta tinha sido de 1,11%), porque as passagens aéreas passaram de um aumento de 26,29% no último mês de 2016 para uma queda de 7,36% em janeiro.

Inflação da baixa renda. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) subiu 0,42% em janeiro, ante um aumento de 0,14% em dezembro. O INPC mede a variação dos preços para as famílias com renda de um a cinco salários mínimos e chefiadas por assalariados.

Como resultado, o índice acumulou uma elevação de 5,44% em 12 meses, resultado inferior aos 6,58% acumulados em 2016. Em janeiro do ano passado, o INPC tinha sido de 1,51%.

Correções
08/02/2017 | 12h09

Anteriormente, o IBGE havia informado que a variação do IPCA era a menor para janeiro desde 1994. Depois, corrigiu a informação. A taxa é a menor para o mês desde a criação do IPCA, em dezembro de 1979.

Tudo o que sabemos sobre:
IPCAIbge

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.