IPCA de junho fica em 0,71%, ante 0,51% em maio

A inflação medida pelo IPCA subiu para 0,71% em junho, ante 0,51% em maio, segundo informou o IBGE. A taxa ficou dentro da expectativa dos analistas ouvidos pela Agência Estado (de 0,60% a 0,78%). No ano, o IPCA acumula alta de 3,48% ; em 12 meses, o aumento acumulado é de 6,06%, acima do resultado dos 12 meses imediatamente anteriores (5,15%).A maior pressão individual em junho sobre o resultado foi dada pela gasolina, que subiu 3,52% e gerou impacto de 0,14 ponto porcentual no índice. Entre os grupos pesquisados, as maiores pressões foram dadas pelos Transportes (cuja variação passou de 0,54% em maio para 1,58% em junho, pressionada pela gasolina) e pelos Alimentos (grupo que passou de 0,23% em maio para 0,72% em junho, sob impacto de problemas climáticos). Os dois grupos juntos responderam por 70% do IPCA de junho ou 0,50 ponto porcentual do total do índice.Em junho, as maiores altas no IPCA foram registradas, além da gasolina, no álcool combustível (11,35%, por força dos reajustes na cana-de-açúcar), automóveis novos (1,13%), ônibus urbano (0,62%), cebola (29,1%), tomate (28,43%), leite pasteurizado (5,33%) e pão francês (1,14%).INPC O INPC, que mede a inflação para a camada de renda mais baixa da população (com renda de um a oito salários mínimos, enquanto o IPCA meda para famílias que recebem de um a 40 salários mínimos) subiu para 0,50% em junho, ante 0,40% em maio. No ano, o INPC acumula alta de 3,14% até junho e em 12 meses, de 5,57%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.