IPCA de setembro fica em 0,78% (0,34% em agosto)

A entressafra dos produtos alimentícios foi o principal fator responsável para a elevação do IPCA para 0,78% em setembro, ante 0,34% em agosto. O índice ficou ligeiramente acima do teto das estimativas do mercado, que iam de 0,61% a 0,77%. Os alimentos subiram 0,78% no mês passsado, mesmo índice da inflação. Segundo anunciou esta manhã o IBGE, as carnes, com aumento de 4,3%, foram o item que apresentou a maior contribuição individual para o índice do mês (0,12 ponto percentual). Os produtos não alimentícios também tiveram alta de 0,78%, sob impacto especialmente dos aumentos das tarifas de água e esgoto (6,3%), além de reajuste no telefone fixo (2,45%), ônibus urbano (1,07%), gasolina (1,61%) e o álcool, que interrompeu a queda que vinha sendo registrada desde abril e aumentou 2,71%. O IPCA acumula no ano até setembtro alta de 8,05% e, em doze meses, de 15,14%. O INPC, que mede inflação para a populacão mais pobre, ficou em 0,82% em setembro, ante 0,18% em agosto. O INPC foi mais alto do que o IPCA porque os alimentos têm maior peso para a camada de baixa renda e acumula no ano alta de 8,96% e, em 12 meses, de 17,51%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.