André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Mercado prevê corte dos juros em outubro e dezembro deste ano

Analistas agora veem dois cortes de 0,25 ponto, com a Selic encerrando o ano a 13,75%; projeção para a inflação foi reduzida tanto em 2016 como em 2017

Célia Froufe, O Estado de S. Paulo

11 de abril de 2016 | 09h25

SÃO PAULO - Embora o Banco Central venha reiterando que não trabalha com a possibilidade de cortar a taxa básica de juros, o mercado financeiro adiantou sua estimativa de redução da Selic este ano e o dividiu em duas partes. Como uma contaminação, foi diminuindo também as previsões ao longo de 2017. 

De acordo com a abertura do Relatório de Mercado Focus, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduzirá os juros dos atuais 14,25% ao ano para 14,00% ao ano em outubro, uma previsão de queda, portanto, de 0,25 ponto porcentual. Outro corte da mesma magnitude é aguardado para a última reunião da diretoria do BC este ano. Na ocasião, de acordo com o levantamento, a Selic passará de 14,00% para 13,75% ao ano.

Na semana passada, o mercado apostava em um corte de 0,50 ponto porcentual concedido de uma só vez, no último mês de 2016. 

Os economistas consultados no Focus também passaram a enxergar um corte maior na Selic ao longo do ano que vem, com a taxa encerrando 2017 a 12,25%. No levantamento anterior, a taxa estava estimada em 12,50%.

Esse movimento de queda dos juros seria possível devido às expectativas mais fracas de inflação nesse e no próximo ano. A estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano caiu pela quinta semana consecutiva, a 7,14%, 0,14 ponto porcentual a menos do que no levantamento anterior. Ainda assim, o dado continua acima do teto da meta do governo para 2016, de 4,5% com tolerância de dois pontos porcentuais. Já a projeção para a inflação oficial em 2017 recuou a 5,95%, após estacionar em 6% por oito semanas seguidas.

Em março, a alta do IPCA desacelerou a 0,43%, chegando a 9,39% no acumulado em 12 meses, primeira vez que ficou no patamar de 9% desde outubro.

Sobre a economia, a projeção para este ano seguiu piorando, mas a projeção para 2017 ficou estável. A retração do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016 está estimada agora em 3,77%, contra queda de 3,73% prevista antes. Para 2017 é esperada uma expansão de apenas 0,30%.

Em relação ao câmbio, não houve mudanças. De acordo com o documento, a cotação da moeda seguiu em R$ 4,00 no fim de 2016. Para 2017, também houve manutenção da mediana em R$ 4,10 de uma divulgação para a outra. 

(Com informações da Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
BCFocusinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.