Ipea não espera crescimento de 5% antes da próxima década

O Brasil não deverá apresentar um crescimento anual de 5% antes da próxima década. Esta é a previsão do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), órgão do Ministério do Planejamento. O cenário traçado pelo Ipea para os próximos quatro anos é de uma expansão média anual do PIB de 4,2%, com o pico de 4,8% em 2010. "É um cenário que fica aquém do cenário do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), mas que é de melhora progressiva", afirmou o coordenador do Grupo de Acompanhamento Conjuntural do Ipea, Fábio Giambiagi. Ele destacou que, se o crescimento suposto pelo Ipea para a economia brasileira nos próximos quatro anos se verificar, ao final da década o Brasil estará em condições muito favoráveis: com dívida pública em torno de 40% do PIB; com dívida externa total - não só do governo - menor que o nível das reservas internacionais; uma taxa de investimento (FBCF) da ordem de 24% do PIB; inflação estável e juros reais se aproximando de 6% ao ano ou já nesse patamar. "Se isso acontecer, o cenário para a próxima década será espetacular", disse."É perfeitamente razoável ter, já em 2009, uma dívida externa bruta de US$ 140 bilhões a US$ 160 bilhões e reservas também nesse patamar", afirmou. "Quando tivermos isso, teremos um País que até o governo não consegue vislumbrar porque será um país completamente diferente do que foi no passado", concluiu.Corte de gastosEm relação à questão fiscal, Giambiagi observou que, em que pese não se ter uma grande reforma em vista, há possibilidades de melhorar. Ele destacou a proposta de limitar o crescimento da despesa do governo com pessoal a 1,5% ao ano. "Acho que esta regra de despesas de pessoal pode ser um ponto de inflexão, como aconteceu com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)", disse, lembrando que a LRF era vista com ceticismo quando foi publicada, mas depois tornou-se um marco.Ele também disse que o crescimento dos investimentos a uma taxa de 8% ao ano em 2007 leva em conta os efeitos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), da redução de juros e de dados como o de aumento de 10,6% no investimento em janeiro ante janeiro do ano passado e o aumento de 18% na indústria de bens de capital na mesma comparação, de acordo com a pesquisa industrial do IBGE divulgada ontem. "O setor de bens de capital está bombando", disse o economista.Giambiagi observou ainda que as previsões do Ipea no boletim de conjuntura divulgado nesta quarta não consideram a mudança de metodologia no PIB e nem as recentes turbulências no mercado financeiro internacional. Para este ano, a previsão para o aumento do PIB é de alta de 3,7%, mas o Ipea não descarta aumentar essa projeção "para um número mais próximo de 4%" após a divulgação, no fim deste mês, dos dados do PIB dos anos passados com a nova metodologia.Mercado financeiroEle repetiu declarações que já tinha feito na segunda-feira, em seminário na Firjan, no sentido de que ainda é cedo para considerar a oscilação dos últimos dias nas previsões para o ano. "O que houve foi um episódio de supervalorização das bolsas. Esses movimentos geram um baque. Por outro lado, o baque ajuda as pessoas a botar o pé no chão", disse, lembrando a máxima de que se o ascensorista diz que está aplicando na bolsa, talvez seja a hora de vender ações.De acordo com Giambiagi, a China está bem. "Ninguém diria que há megadesafios maiúsculos em um país com 1,5 bilhão de pessoas e que cresce 10% ao ano", afirmou. Também avalia que um cenário de realista para ruim para os Estados Unidos seria a diminuição de crescimento do PIB de 3,5% para 2,5%. "Isso ajudaria a reequilibrar o mundo", disse Giambiagi em relação a uma desaceleração na maior economia do globo."Japão e União Européia estão crescendo um pouco mais e isso vai evitar o desequilíbrio entre as moedas", disse. Para ele, UE e Ásia crescendo e desaceleração nos Estados Unidos não constituem "um cataclisma na economia mundial".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.