Ipea prevê estagnação no ano que vem

RIO - Depois de um ano com fraco crescimento e desaceleração na demanda - componente que havia sido por anos o principal motor da economia brasileira -, 2015 reserva um período de igual estagnação, avaliaram ontem economistas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) durante apresentação da Carta de Conjuntura trimestral, em coletiva no Rio.

IDIANA TOMAZELLI, O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2014 | 02h04

Os desafios e os principais focos de trabalho para melhorar o quadro e projetar o Brasil numa nova trajetória de crescimento, defende o Ipea, devem ser a reversão do atual quadro fiscal e a reancoragem das expectativas de inflação.

"O melhor é não termos grandes expectativas com relação à atividade econômica no ano que vem", afirmou o economista Fernando Ribeiro, coordenador do Grupo de Estudos de Conjuntura (Gecon) do Ipea.

"O cenário deixa claro que tem muitos desafios pela frente para a economia voltar a crescer, mas existem duas tarefas fundamentais no curto prazo. Reverter a trajetória de resultado primário das contas públicas e reancorar as expectativas inflação", acrescentou o economista.

Mais conteúdo sobre:
IpeaInflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.