Ipea prevê que País vai crescer menos em 2008

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), fundação federal vinculada ao Núcleo de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, prevê que a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) - soma das riquezas produzidas no país - deverá ficar entre 4,2% e 5,2% em 2008, um pouco abaixo do crescimento de 5,4% da economia brasileira registrado no ano passado pelo IBGE.De acordo com o Ipea, o consumo privado no País deverá aumentar entre 6,1% e 6,7% este ano, enquanto o consumo do governo deve registrar elevação de 3% a 3,5%. A previsão para a taxa de investimentos é de alta de 12,4% a 14,1%.Para as importações, o Ipea espera um aumento entre 20,6% e 24,1% em 2008. Já para as exportações, a alta esperada é de apenas 3,3% a 5%. O instituto aponta que para o PIB da indústria deve haver crescimento entre 4,5% e 5,3%; para agropecuária de 3,6% a 4,4% e para os serviços, de 3,9% para 4,9%. O órgão prevê também a expansão da produção industrial este ano, entre 5% e 6,2%.InflaçãoO instituto estima que a inflação de 2008, medida pelo IPCA, seja de 4% a 5%, dentro da margem da meta de inflação estipulada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) - o centro da meta é 4,5%, com dois pontos porcentuais de tolerância, para cima ou para baixo.O Ipea prevê que o superávit da balança comercial caia dos US$ 40 bilhões do ano passado para um valor entre US$ 23,8 bilhões e US$ 27,3 bilhões este ano. As exportações foram projetadas entre US$ 171 bilhões e US$ 176,1 bilhões. Já as importações estão previstas entre US$ 145,6 bilhões e US$ 150,3 bilhões.O Ipea espera déficit em conta corrente nas transações externas para 2008 de US$ 11,5 bilhões. No ano passado, o Brasil teve superávit em conta corrente de US$ 1,5 bilhão.O Ipea divulgou hoje a Carta de Conjuntura. Na carta anterior, de dezembro, não foram feitas projeções para 2008.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.