Ipem constata irregularidades em produtos natalinos

Os fiscais do Instituto de Pesos e Medidas (Ipem-SP), da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Governo do Estado de São Paulo, constatou irregularidades em 32 produtos que fazem parte da ceia de final de ano. Produtos como bombons, panetones e frutas secas estavam com peso ou quantidade abaixo da especificada na embalagem. A Operação Produtos Natalinos, realizada ontem e hoje, verificou 135 produtos em supermercados, confeitarias, docerias e lojas de shopping. Em São Paulo, foram verificados 60 produtos dos quais três apresentaram irregularidades. Os produtos com problemas foram: bombons chocolate Amor aos Pedaços, de 45 gramas, com 2,40 gramas a menos na média; ameixa seca Quero, de 180 gramas, que apresentou quatro unidades com erro de até 40,90 gramas a menos; e o panetone Jovem Pão, de 500 gramas, que apresentou três embalagens com erro de até 28,70 gramas a menos. No Interior paulista, dos 75 produtos analisados, 29 apresentaram peso inferior ao indicado na embalagem. Os maiores erros encontrados foram: o figo seco turco Layer Exotic, de 250 gramas, da região de Presidente Prudente, que apresentou 17,40 gramas a menos na média e 13 embalagens com erros de até 74,20 gramas a menos; frutas cristalizadas Celmar, de 250 gramas, da região de Campinas, com 16,70 gramas a menos na média e 14 unidades com erros de até 28,10 gramas a menos; e o panetone de 500 gramas de fabricação da panificadora Galeano, da região de Presidente Prudente, com 30,80 gramas a menos na média e 13 embalagens com erros de até 50,90 gramas a menos. De acordo com a agente fiscal do Ipem-SP, Magnólia Josefina Grandia, os fabricantes responsáveis pelas irregularidades receberam uma notificação e terão prazo de 15 dias para apresentar defesa ao Ipem-SP. Os fabricantes poderão ser punidos com multa de até R$ 2,4 mil. O valor da multa dobra em caso de reincidência.

Agencia Estado,

11 Dezembro 2001 | 19h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.