Ipem reprova 18 produtos da cesta básica em SP

O Instituto de Pesos e Medidas de São Paulo (Ipem-SP), da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Governo do Estado de São Paulo, reprovou grande parte dos produtos da cesta básica paulista analisados hoje. De acordo com a avaliação dos técnicos do Instituto, 18 produtos apresentaram quantidade abaixo da especificada na embalagem. Foram avaliados 65 produtos. Os fabricantes podem ser multados em até R$ 2,4 mil.Na cidade de São Paulo, foram verificados 30 produtos, dos quais quatro apresentaram irregularidades. Entre os maiores erros estavam o arroz tipo 1 Cosul, de 5 quilos que apresentou 24 gramas a menos, na média, e ainda cinco embalagens com erros de até 101 gramas a menos; o arroz tipo 1 Comal, de 5 quilos, que estava com 15 gramas a menos, na média; e arroz tipo 1 Maktub, de 5 quilos, com 10 gramas a menos na média.No interior paulista, dos 35 produtos analisados, 14 apresentaram peso inferior ao indicado na embalagem. Os maiores erros foram biscoito maizena Elbis, de 200 gramas, da região de São José do Rio Preto, que apresentou 8,20 gramas a menos na média e, ainda, cinco embalagens com erros de até 18,40 gramas a menos; biscoito de côco Berê, de 800 gramas, da região de Presidente Prudente, com 19,80 gramas a menos na média e, ainda, oito embalagens com erros de até 26 gramas a menos; e sal refinado Nave, de 1 quilo, da região de São José do Rio Preto, com 21,70 gramas a menos na média e, ainda, oito embalagens com erros de até 57,20 gramas a menos.MultaOs responsáveis pelas irregularidades terão prazo de 15 dias para apresentar defesa ao Ipem-SP. Os fabricantes notificados poderão ser punidos com multa de até R$ 2,4 mil. O valor da multa dobra na reincidência. A Operação Cesta Básica é realizada quinzenalmente em todo o Estado de São Paulo. O consumidor que encontrar alguma irregularidade na embalagem de produtos pode ligar para o Ipem-SP. O Instituto atende denúncias e reclamações pelo telefone 0800-130522, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.