Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

IPI: empresários buscam acordo

Disputa judicial favoreceu governo, que pode cobrar crédito-prêmio compensado após 1990

Adriana Fernandes, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2025 | 00h00

Empresários reunidos ontem com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, defenderam um acordo com o governo para pôr fim à disputa judicial em torno do crédito-prêmio do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).A preocupação dos empresários aumentou depois que o governo conseguiu vitória parcial no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional resolveu intensificar a cobrança das empresas exportadoras que utilizaram, depois de 1990, o crédito-prêmio, benefício fiscal instituído em 1969 como um incentivo às exportações.Em decisão julgada no mês passado, o STJ declarou que o crédito-prêmio foi extinto em 1990, fortalecendo a atuação da Procuradoria Geral da Fazenda na cobrança do imposto devido depois desse período. A decisão do STJ foi intermediária entre o que reivindicava a Fazenda Nacional e as empresas.O governo sustentava que o benefício foi extinto em 1983 e as empresas queriam a manutenção desse crédito até os dias atuais. Essa é considerada um dos maiores litígios tributários da Justiça brasileira.O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto defendeu o acordo. Ele reconheceu que o problema tem causado ''''tensão e preocupação'''' aos empresários. ''''A visão do setor empresarial é de que se deveria buscar uma solução equilibrada para isso. Quem sabe uma solução negociada'''', afirmou Monteiro Neto, que organizou o encontro com o ministro.O presidente do Grupo Gerdau, Jorge Gerdau, também defendeu o acordo. ''''Sempre um acordo é melhor. Não pode haver retroatividade.'''' Também participaram da reunião empresários do setor sucroalcoleiro, entre eles Pedro Robério Nogueira, de Alagoas, e José Pessoa de Queiroz Bisneto, das empresas JP, um dos maiores grupos do País na área de produção de cana, açúcar e álcool. O setor sucroalcooleiro foi beneficiado pelo crédito-prêmio.Sem um acordo, a disputa judicial deve continuar no Supremo Tribunal Federal (STF). O julgamento do processo pode, no entanto, demorar cerca de três anos nos cálculos da Procuradoria. A Receita Federal e a Procuradoria da Fazenda já criaram um grupo de trabalho para verificar os valores do IPI compensados pelas empresas exportadoras a partir de 1990. Com a decisão do STJ, a compensação não poderia ter sido feita e os valores terão de ser devolvidos ao governo. Esse grupo está identificando qual o impacto da decisão para as empresas.Se todas as empresas exportadoras tivessem utilizado o benefício, o impacto seria de R$ 200 bilhões. Mas pesquisa informal feita pela Procuradoria da Fazenda indica que pelo menos 40% das empresas não utilizaram o benefício depois de 1990. O crédito-prêmio permitia que um porcentual do valor exportado pelas empresas fosse transformado em desconto para pagamento do IPI.Pela decisão da 1ª Seção do STJ, a extinção do crédito-prêmio em 1990 foi prevista no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT). Há um dispositivo no ADCT segundo o qual os governos em todas as esferas reavaliariam os incentivos fiscais concedidos. Eles seriam considerados revogados após dois anos se não fossem confirmados por lei.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.