André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

IPO da Caixa Seguridade deve movimentar R$ 5 bilhões, com ação a R$ 9,67

Ganho bruto da Caixa com a oferta inicial de ações deve ser de R$ 3,3 bilhões; trata-se da primeira operação do gênero feita por um negócio ligado ao banco público

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2021 | 22h19

A Caixa Seguridade, braço de seguros da Caixa Econômica Federal, precificou suas ações em R$ 9,67, pouco acima do piso da faixa indicativa, que ia de R$ 9,33 a R$ 12,67, segundo investidores que participam da operação. Nesse valor, a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) deve movimentar cerca de R$ 5 bilhões. A cifra leva em conta a oferta base e a adicional.

Segundo fato relevante divulgado na noite desta terça-feira, 27, a Caixa estima obter um ganho bruto de R$ 3,3 bilhões com a operação. Ao longo do dia, a Caixa Seguridade conseguiu elevar um pouco o preço das ações, que inicialmente havia estacionado em R$ 9,50.

Na segunda-feira, 26, a Caixa Seguridade já tinha demanda suficiente para emplacar seu IPO no piso da faixa, conforme revelou o Estadão/Broadcast. Havia, inclusive, ordens de sobra tanto por parte do varejo quanto do público institucional.

A preocupação com as estatais no Brasil foi notória durante o roadshow (apresentação aos investidores), que foi online por conta da pandemia. Entretanto, as entregas feitas pela gestão da Caixa Seguridade, que colocou de pé tudo o que prometeu desde o ano passado, com a operacionalização das parcerias estratégicas, conseguiu convencer os investidores.

Pessoas físicas

A expectativa, de acordo com fontes, é de que 55% da oferta fiquem com os investidores pessoas físicas. Dessa maneira pode figurar entre as maiores distribuições de varejo já realizadas na bolsa brasileira.

O IPO de seguros é o primeiro na história da Caixa. A oferta foi paralisada em meio à pandemia e retomada este ano. Como a operação será secundária, os recursos captados irão para o caixa do banco.

A abertura de capital da Caixa Seguridade está sendo conduzida pelos bancos Morgan Stanley, Bank of America (BofA), Credit Suisse, Itaú BBA, UBS BB, além da própria Caixa e do Banco do Brasil, que priorizaram a distribuição junto ao público de varejo.

O início das negociações das ações está previsto para quinta-feira, dia 29.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.