IR: veja como ficaria tabela atualizada

A correção da tabela do Imposto de Renda (IR), que era esperada para o próximo ano, não tem mais uma data definida para acontecer. O contribuinte vai continuar recolhendo IR de acordo com a tabela antiga, ou seja, sem atualização das faixas de rendimento pela inflação acumulada no período desde a última atualização, em 1995.Um estudo da Trevisan Consultores, com base em três indicadores diferentes - já que não se sabe qual índice será usado na revisão da tabela - apontou como ficariam as faixas de renda para cada alíquota. O estudo considerou dois índices de inflação - Índice Geral dos Preços-Mercado (IGP-M), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - e a extinta Unidade Fiscal de Referência (Ufir).IGPM: veja como ficaria a tabelaO IGP-M acumulou, entre janeiro de 1996 e dezembro do ano passado, uma alta de 48,78%. Segundo o estudo da Trevisan, se a tabela do IR fosse atualizada por esse Índice, a faixa de isenção para o IR passaria de R$ 900,00 para R$ 1.339,02. Já a faixa de renda entre R$ 900,01 até R$ 1.800,00, em que o contribuinte recolhe uma alíquota de 15%, subiria para um intervalo entre R$ 1.339,03 a R$ 2.678,04. A alíquota de 27,50%, que hoje é cobrada de contribuintes que têm renda acima de R$ 1.800,01, passaria a ser cobrada apenas das pessoas com ganho mensal acima de R$ 2.678,05. Veja como ficaria a tabela com as novas faixas de renda e os valores correspondentes, também atualizados, que podem ser deduzidos do Imposto de Renda: Tabela atualTabela CorrigidaAlíquota (%)Base de cálculo (R$) Parcela a deduzir do Imposto (R$)Base de cálculo (R$)Parcela a deduzir do Imposto (R$)IsentoAté 900,00-Até 1.339,02-15%De 900,01 a 1.800,00135,00De 1.339,03 a 2.678,04200,8527,5%Acima de 1.800,01360,00Acima de 2.678,05535,61IPCA: veja como ficaria a tabelaO estudo da Trevisan também mostrou como ficaria a tabela de Imposto de Renda atualizada pelo IPCA. Os cálculos da consultoria indicam que, no período entre janeiro de 1996 e dezembro de 2000, a correção acumulada pelo Índice é de 31,35%.Com essa atualização, a parcela isenta passaria para uma faixa de renda até R$ 1.182,15. A alíquota de 15% passaria para uma faixa entre R$ 1.182,16 até R$ 2.364,30. Já os contribuintes com renda acima de R$ 2.364,31 passariam a recolher pela alíquota de 27,5%. Veja como ficaria a tabela com as novas faixas de renda e os valores correspondentes, também atualizados, que podem ser deduzidos do Imposto de Renda: Tabela atualTabela CorrigidaAlíquota (%)Base de cálculo (R$) Parcela a deduzir do Imposto (R$)Base de cálculo (R$)Parcela a deduzir do Imposto (R$)IsentoAté 900,00-Até 1.182,15-15%De 900,01 a 1.800,00135,00De 1.182,16 a 2.364,30177,3227,5%Acima de 1.800,01360,00Acima de 2.364,31472,86Ufir: veja como ficaria a tabelaA Ufir também foi usada pela Trevisan nesse estudo. Os cálculos da consultoria indicam que desde a última atualização, a alta da Ufir foi de 28,40%. Apesar de a Ufir ter sido extinta no final de 2000, foi usada para correção da tabela em ação movida pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Mogi das Cruzes e região, que concedeu a esses trabalhadores uma liminar para a atualização das faixas de renda. Veja como ficaria a tabela atualizada pela Ufir: Tabela atualTabela CorrigidaAlíquota (%)Base de cálculo (R$) Parcela a deduzir do Imposto (R$)Base de cálculo (R$)Parcela a deduzir do Imposto (R$)IsentoAté 900,00-Até 1.155,60-15%De 900,01 a 1.800,00135,00De 1.155,61 a 2.311,20173,3427,5%Acima de 1.800,01360,00Até 2.311,21462,24

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.