coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Irã armazena milhões de barris de petróleo em navios no mar

O Irã está armazenando milhões de barris de petróleo em navios ancorados em suas águas territoriais, enquanto o governo do país enfrenta dificuldades para exportar em função das sanções ocidentais, disseram fontes do setor de transporte marítimo.

Reuters

24 de abril de 2013 | 17h09

As receitas do Irã com o petróleo caíram cerca de 50 por cento desde o ano passado, quando os Estados Unidos e a União Europeia impuseram pesadas sanções, prejudicando os negócios do país e reduzindo o padrão de vida dos cidadãos comuns.

"Não há dúvida de que há mais navios petroleiros iranianos sendo usados como armazenagem flutuante no momento do outro lado do Golfo e o sentimento é de que isso deve aumentar", disse uma fonte do setor de transporte marítimo na Europa com conhecimento do movimento de petroleiros.

"O embargo está causando problemas e tem conversas sobre tentativas do Irã de se desfazer de cargas com preços reduzidos."

As fontes do setor marítimo deram estimativas variadas sobre quanto petróleo o Irã está guardando no mar, mas todos disseram que o volume aumentou.

Dados da consultoria de inteligência marítima IHS Fairplay apontam que 10 grandes navios petroleiros do Irã, com capacidade de carregar 2 milhões de barris cada um, estão armazenando petróleo, junto com um navio menor com capacidade de 1 milhão de barris.

Os dados mostraram que outros dois super petroleiros também podem estar sendo usados como armazenagem flutuante, baseado no longo período em que estão ancorados, elevando o volume total a 25 milhões de barris guardados em navios.

"Parece que há mais embarcações do que havia quatro meses atrás" disse Richard Hurley, um analista sênior da IHS Fairplay.

(Reportagem de Jonathan Saul, com reportagem adicional de Daniel Fineren em Dubai)

Tudo o que sabemos sobre:
PETROLEOIRAARMAZENAGEM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.