Irã diz que direito a enriquecimento de urânio é inegociável

O Irã não desistirá de seu direito aoenriquecimento de urânio, afirmou o porta-voz do governo dopaís neste sábado, dias antes de um pacote melhorado deincentivos criado por potências internacionais para tentarconvencer o país a suspender o trabalho. "Suspender o enriquecimento é inegociável...Impedir oacesso do Irã a seu direito não pode ser uma oferta", disseGholamhossein Elham, porta-voz do governo, em uma entrevistasemanal à imprensa. O Irã concordou com uma visita do chefe de política externada União Européia, Javier Solana, que tem como objetivo aentrega do pacote de incentivos que em troca exige suspensãocompleta do enriquecimento de urânio. Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança daOrganização das Nações Unidas --Estados Unidos, França,Inglaterra, China e Rússia-- e a Alemanha, grupo conhecido comoP5+1, ofereceu um pacote ao Irã em 2006 que previa ainterrupção do enriquecimento. Mas Teerã rejeitou as propostase a última versão melhorada do pacote. Elham afirmou que não está acertada a data da viagem deSolana. "Concordamos com a viagem, mas uma data específica nãofoi decidida ainda." Entretanto, um diplomata ocidental disse àReuters que Solana deve visitar o Irã em 14 de junho. O Irã entregou o que chama de "um pacote de propostas paranegociações construtivas". Mas o país ignora a principaldemanda do Ocidente, a suspensão do enriquecimento. O Conselho de Segurança da ONU impôs três sanções contra oIrã pela recusa do país em interromper atividades sensíveis. O Irã, quarto maior exportador de petróleo do mundo, afirmaque a atividade de enriquecimento de urânio é voltada para ageração de eletricidade. A Agência Internacional de Energia Atômica afirmou nasegunda-feira que o Irã acelerou o trabalho de enriquecimento,em desafio à exigência da ONU. (Por Hahsem Kalantari)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.