Irlanda, Espanha e Grécia obtém boa demanda em leilões de títulos

Perspectiva é que os investidores estejam cautelosamente otimistas em relação aos esforços que os países na zona do euro tomam para melhor administrar suas dívidas

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

20 de julho de 2010 | 11h02

Três dos países da zona do euro com menor qualificação de risco soberano obtiveram boa demanda em leilões de títulos realizados nesta terça-feira, em alguns casos, tomando recursos a um baixo custo de financiamento. O bom resultado indica que os investidores estão cautelosamente otimistas em relação aos esforços que os países na zona do euro tomam para melhor administrar suas dívidas e que aproveitam as taxas de retorno mais elevadas oferecidas recentemente nos leilões.

A Irlanda vendeu o total intencionado de 1,5 bilhão de euros em títulos do governo, um dia após a Moody's cortar o rating do país para Aa2, de Aa1. A Espanha vendeu próximo ao máximo pretendido em leilão de títulos do Tesouro de curto prazo, pagando um yield inferior ao leilão anterior; enquanto a Grécia também não enfrentou dificuldades para oferecer uma segunda rodada de papéis de seu programa de refinanciamento trimestral, vendendo títulos de curto prazo com yield semelhante ao pago pelo mercado secundário.

"De todo modo, o leilão irlandês foi um sucesso e o rebaixamento da nota do país pela Moody's aparentemente não teve qualquer efeito", observou um analista.

A Irlanda ofertou em leilão mensal entre 1 bilhão de euros a 1,5 bilhão de euros em títulos com vencimento em abril de 2016 e rendimento de 4,6%, e em títulos com vencimento em outubro de 2020 e rendimento de 5%. O yield médio da operação com os papéis com vencimento em 2016 foi 4,496%, inferior aos 4,521% ofertados no leilão de junho. O yield médio da operação com os papéis com vencimento em outubro de 2020 subiu, no entanto, para 5,537%, de 4,688% no leilão de abril.

O Departamento de Administração da Dívida da Irlanda disse que o leilão desta terça-feira elevou o total de recursos tomados a partir da venda de títulos do governo no mercado para 16,5 bilhões de euros, que somados a outras captações feitas internamente, eleva o total de recursos captados este ano para 18,1 bilhões de euros, cerca de 90% do total de 20 bilhões de euros previstos em captações pelo governo este ano.

Na Grécia, a Agência de Administração da Dívida Pública conseguiu vender 1,950 bilhão de euros em títulos do Tesouro com vencimento em 13 semanas na segunda parte da série de leilões trimestrais de papéis de curto prazo. O yield pago foi de 4,05%, superior aos 3,65% do leilão de abril, mas próximo ao piso da taxa cobrada no mercado secundário de 4,02% a 4,30% antes do leilão.

A Espanha vendeu 5,958 bilhões de euros em títulos do Tesouro de 12 meses e 18 meses, dentro da meta do governo que era de 5 bilhões de euros a 6 bilhões de euros. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.