Irritada com encontro da CUT com Lula, Força ameaça romper

O encontro de quarta-feira entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente da CUT, Luiz Marinho, no qual a central pediu medidas urgentes para a criação de 1 milhão de emprego até o final do ano, irritou os dirigentes da Força Sindical. Segundo o secretário-geral João Carlos Gonçalves, Marinho teria rompido um acerto com as demais centrais, de que todos dirigentes participariam da reunião com Lula. O presidente da CUT, por intermédio da assessoria, nega a existência de acordo."Produzimos um documento conjunto apresentado ao Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) com 21 ações de geração de emprego, mas o Marinho foi tratar de forma isolada com o governo. A CUT rompeu com a ação unificada que as centrais vinham trabalhando", disse Gonçalves. De acordo com a CUT, "não há rompimento da unidade de ação" e o ofício em que solicita a audiência com o presidente está registrado o pedido para que o presidente convocasse a presença de todas as centrais. O diretor da Força disse que poderá interromper as parcerias formadas com a CUT, como a campanha salarial unificada das categorias com data-base no segundo semestre, e a reforma sindical. "As centrais perderam a confiança na CUT. Se a CUT quer trabalhar com o governo, ser chapa branca, então que não envolva nossas propostas e nossos nomes", afirmou o diretor da Força.Procurados pelo Estado, os dirigentes das demais centrais não foram localizados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.