ISA: CTEEP é porta de entrada para América do Sul

A compra da CTEEP por um ágio de 57,98% faz parte da estratégia da colombiana Interconexión Eléctrica (ISA) de marcar presença na América do Sul. "Esse é nosso primeiro ativo no Brasil e consideramos o país estratégico, por isso fomos bastante agressivos em nossa oferta", disse o gerente de estratégia corporativa da ISA, Cezar Ramirez.Ainda sem escritório no Brasil, a companhia pretende rapidamente montar uma estrutura local e escolher o executivo que comandará a CTEEP após a privatização, que será um brasileiro. Além da CTEEP, a empresa pretende participar do leilão de novas linhas de transmissão da Aneel, que acontece este ano, e está de olho em todas as grandes oportunidades, tendo interesse inclusive no linhão que vai ligar a futura Usina Hidrelétrica do Rio Madeira, no norte do Brasil, à região Sudeste.Para a América Latina, a empresa tem planos de atuar em grandes redes de conexões entre países. Atualmente, a ISA já detém três conexões entre a Colômbia e a Venezuela, uma entre Colômbia e Equador, outra entre Peru e Equador e está construindo mais duas; uma entre Bolívia e Peru e outra do Panamá à Colômbia.Especializada em linhas de transmissão, os planos da empresa incluem ainda a entrada no transporte de gás. "Estamos estudando essa possibilidade porque o setor de gás é o que mais vem crescendo em toda a região da América Latina", afirmou.PagamentoA ISA pagará os R$ 1,19 bilhão ofertados pela CTEEP com recursos próprios e financiamentos de bancos estrangeiros, informou o gerente de estratégia corporativa da empresa, Cezar Ramirez, sem revelar, no entanto, os porcentuais de cada parte. O executivo considerou o valor pago bom, apesar do ágio, pois leva em conta o potencial do mercado brasileiro.Segundo ele, o mercado brasileiro é promissor em razão da expectativa da necessidade de construção de 20 mil quilômetros de linhas de transmissão até 2012. "Isso nos abre uma grande possibilidade para ampliarmos nossa atuação no País." A empresa tem hoje 35 mil quilômetros de redes de transmissão nos países onde atua.Além dos R$ 1,19 bilhão ofertados pela ISA, o valor total da venda da CTEEP deve chegar a R$ 1,4 bilhão, já que R$ 215 milhões serão oferecidos aos funcionários, que têm até agosto para exercer o direito. Se houver sobras desse lote dos funcionários, a ISA é obrigada a comprar as ações pelo preço mínimo, de R$ 24,11 por lote de mil, e não pelo valor da oferta que fez no leilão.Sobre o futuro da CTEEP, o executivo afirmou que investirá pelo menos os R$ 400 milhões anuais obrigatórios, previstos no plano de expansão da empresa, acertado com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A modelagem financeira da proposta da ISA, que entrou no leilão sem sócios, foi feita pelo BBVA.Na Colômbia, a ISA é uma empresa controlada pelo governo federal, com 56% do capital total. Outros 28% estão pulverizados na Bolsa local e 12% com empresas públicas de Medelin. Os 4% restantes estão nas mãos da iniciativa privada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.