Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Itaipu mantém estado de alerta nas margens do rio Paraná

Hidrelétrica permanece com comportas do vertedouro abertas desde sábado e nova frente fria deve trazer mais chuvas na região

Joana Lopes, Especial para O Estado de S. Paulo

12 de junho de 2014 | 12h04

FOZ DO IGUAÇU - O nível do Rio Paraná, abaixo da Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu, baixou oito metros desde terça-feira, dia 10, quando atingiu o nível máximo depois que a hidrelétrica de Itaipu abriu as comportas para liberar o excesso de água no sábado, 7.
O nível da água do rio em Foz do Iguaçu está na cota 117 metros acima do nível do mar, depois de ter alcançado os 125 metros na terça-feira, mas uma frente fria na região pode trazer novas chuvas, segundo informou a empresa binacional.
A região continua em estado de alerta e as famílias ribeirinhas desalojadas pela cheia ainda estão impedidas de retornar.
A cheia desta semana foi a terceira maior da história, só perdendo para as dos anos 1983 e 1992, quando o rio subiu e causou grandes estragos na região.
Nas Cataratas do Iguaçu, a vazão está em 9,4 milhões de metros cúbicos, quando o volume normal fica entre 1,2 milhões e 1,5 milhões de metros cúbicos.
A usina de Itaipu abriu a primeira calha do vertedouro no sábado, dia 7, e mais uma foi aberta no domingo.
 Na altura do encontro dos rios Iguaçu e Paraná, no Marco das Três Fronteiras, logo abaixo das Cataratas e também de Itaipu, o volume de água caiu de 37,8 mil metros cúbicos por segundo para 33 mil.
A última vez que a usina de Itaipu abriu duas calhas do vertedouro foi na cheia de junho de 2013. O volume máximo de água liberado no ano passado foi de 14 mil metros cúbicos por segundo, no dia 27 de junho.
A Itaipu informou que a divisão de hidrologia da hidrelétrica está fazendo o monitoramento constante nos rios para alertar os moradores da região.
Sete bairros de Foz do Iguaçu e Ciudad del Este sofrem os efeitos das inundações. Do lado brasileiro, as partes mais baixas dos bairros Porto Meira, Jardim Jupira, região do Marco das Três Fronteiras, Iate Clube Cataratas, Iate Clube Maringá, além de um porto de areia, foram inundadas. No lado paraguaio, foram atingidos os bairros San Rafael e Remansito.
Iguaçu. A alta do nível do rio Iguaçu obrigou a administração do Parque das Cataratas a interditar as passarelas de acesso aos principais saltos desde domingo.
De acordo com a direção da unidade de conservação, ainda não há previsão de quando as passarelas poderão ser liberadas.
Há suspeitas de que houve danos à estrutura, que deverá passar por uma avaliação. Na segunda-feira, a cheia estabeleceu um novo recorde, quando o volume de água nas quedas passou de 47,6 milhões de litros de água por segundo, mais de 30 vezes acima do normal de 1,5 milhão de litros por segundo.
Apesar da trégua da chuva nos últimos dias, a previsão é de que o nível do rio volte a subir a partir de sábado. Dos dois lados da fronteira, ao menos 500 famílias foram atingidas pela cheia.
Em todo o Paraná, o último levantamento da Defesa Civil Estadual, divulgado às 8h desta quinta, indica que 564.974 pessoas em 148 municípios foram atingidas pelo temporal, onze morreram e duas continuam desaparecidas. No total, 130 cidades decretaram situação de emergência e estima-se que os prejuízos materiais passem de R$ 1 bilhão.
Tudo o que sabemos sobre:
ItaipuChuvas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.