Itália aprova medidas para combater desemprego juvenil

A coalizão governista da Itália aprovou nesta quarta-feira um aguardado pacote de medidas para combater o desemprego crônico entre a população jovem e suspendeu temporariamente um plano de elevar o imposto de valor agregado (IVA), enquanto luta para superar a recessão mais longa do país no pós-guerra. As medidas vão custar cerca de 2,5 bilhões de euros (US$ 3,25 bilhões) ao Tesouro italiano.

Agencia Estado

26 de junho de 2013 | 11h48

O plano tem como foco os trabalhadores mais jovens e prevê incentivos fiscais para empresas que empregarem pessoas com idades entre 15 e 29 anos com contratos permanentes e em tempo integral.

A taxa de desemprego da Itália está hoje num nível recorde de 12%, mas ultrapassa 40% no caso dos mais jovens.

"Pretendemos dar um golpe bem forte na praga do desemprego juvenil", disse o primeiro-ministro italiano, Enrico Letta, a repórteres após uma reunião de gabinete.

Os incentivos para o aumento do emprego, avaliados em 1,5 bilhão de euros nos próximos 18 meses, deverão ajudar cerca de 200 mil jovens a encontrar emprego, segundo Letta.

A Itália também decidiu adiar um aumento planejado de 1% no IVA para outubro, numa tentativa de estimular a demanda interna no curto prazo. "O adiamento do IVA tem o propósito de mandar uma mensagem aos consumidores, com a esperança de que ajudará a economia", disse Letta. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliadesempregojovens

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.