Itália e Austrália pedem que G20 combata a especulação

Líderes dos países querem que grupo exija maior transparência dos mercados e redução do endividamento

Efe,

22 de setembro de 2009 | 17h15

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, e o chefe do Governo australiano, Kevin Rudd, pediram nesta terça-feira, 22, que a luta contra a especulação seja uma das prioridades da cúpula do Grupo dos Vinte (G20, os países ricos e os principais emergentes), em carta dirigida ao presidente americano, Barack Obama.

 

Veja também:

linkEstados Unidos e União Europeia acertam pré-acordo do G-20

linkG-20 deveria considerar fundo soberano global, afirma China

 

Os dois políticos indicaram que "as medidas orientadas a uma maior transparência dos mercados e a reduzir um excessivo uso do endividamento são uma absoluta necessidade para combater a manipulação dos mercados e reduzir uma especulação desestabilizadora".

 

"Em Pittsburgh, portanto, gostaríamos de centrar a atenção sobre as medidas para conseguir posteriores progressos para produtos e mercados financeiros mais transparentes e mais bem regulados", afirmaram os dois líderes em sua carta, divulgada pelo Governo italiano.

 

Além disso, insistiram em que são necessárias "iniciativas legislativas e regulamentos para garantir que os mercados das matérias-primas possam atender a necessidade de cobrir riscos sem ampliar a oscilação dos preços".

 

"As atividades especuladoras determinaram em grande parte a oscilação dos preços, com um forte impacto negativo sobre a vida das pessoas", afirmaram.

 

"Um marco regulador mais transparente e eficaz deve fazer parte de nossos esforços conjuntos para enfrentar questões fundamentais da segurança energética e alimentícia. Por isso, acreditamos firmemente que os líderes teriam que discutir estes temas e promover uma ação rápida e enérgica", concluíram.

Tudo o que sabemos sobre:
G20especulação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.