Itália: Governo prevê contração de 2,4% no PIB em 2012

O governo da Itália reduziu hoje suas projeções econômicas para 2012 e 2013, mas reiterou que cumprirá a meta de atingir um orçamento equilibrado no ano que vem. Segundo documento aprovado pelo gabinete italiano, o governo espera que o Produto Interno Bruto (PIB) do país recua 2,4% este ano e 0,2% em 2013. A previsão anterior para o próximo ano era de crescimento de 0,5%.

AE, Agencia Estado

20 de setembro de 2012 | 14h45

O número "ligeiramente negativo" do ano que vem oculta uma tendência de melhora, já que Roma espera que a terceira maior economia da zona do euro mostre expansão em bases trimestrais a partir dos três primeiros meses de 2013.

"Há luz no fim do túnel e podemos avistá-la", disse o primeiro-ministro Mario Monti durante coletiva de imprensa, após reunião de gabinete.

O documento, que serve como prévia da lei orçamentária, prevê que o PIB crescerá 1,1% em 2014 e 1,3% em 2015.

Apesar das projeções de curto prazo revisadas para baixo, a Itália manterá o compromisso fechado com os parceiros da União Europeia de equilibrar seu orçamento no ano que vem, segundo o ministro da Economia, Vittorio Grilli.

A previsão para o orçamento está em "termos estruturais", o que significa que foi ajustada para um ciclo econômico adverso e fatores extraordinários. A expectativa é que a Itália apresente déficit nominal equivalente a 1,6% do PIB em 2013. Também em termos estruturais, o déficit orçamentário deste ano está projetado em 0,9% do PIB. O número evidencia a austeridade da política fiscal italiana, que afetou a demanda doméstica e gerou crescimento menor do que o esperado. A demanda global pelas exportações italianas também diminuiu, destacou Monti.

A relação dívida/PIB deve começar a cair a partir do ano que vem, embora possa subir se forem consideradas contribuições excepcionais para os fundos de resgate da zona do euro, segundo o planejamento de Roma. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaPIBprojeção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.