Itália quer acordo com Petrobras para investir na África

O governo italiano quer um acordo entre a Petrobras e a companhia petrolífera italiana Eni para investir no setor do etanol na África. Nesta segunda-feira, em uma reunião com mais de 300 participantes do setor privado, governo e entidades civis na capital italiana, o governo de Roma defendeu que um entendimento possa ser fechado rapidamente. No dia 26, o primeiro-ministro da Itália, Romano Prodi, visita o Brasil e Roma não esconde que espera a assinatura de um acordo sobre o bio-combustível.Para a visita de Prodi, o entendimento provavelmente não passará de um acordo de intenções que marcará o início de um projeto de cooperação. Mas, entre os diplomatas italianos, a idéia é de contar com a colaboração brasileira em projetos em Moçambique.A "diplomacia do etanol" ainda responde a duas necessidades do governo italiano. De um lado, Roma ficou para trás no desenvolvimento do bio-combustível na Europa e agora precisa correr contra o relógio.Enquanto França, Espanha e outros países adotavam estratégia para o uso do etanol, os italianos apostaram em energia nuclear como forma de superar a dependência à importação de petróleo. Agora, porém, descobriram que podem ficar para trás se não iniciarem acordos no setor. Roma ainda quer utilizar o etanol para se reaproximar ao Brasil.Relação congeladaDurante o governo de Berlusconi, a relação entre os dois países esteve praticamente "congelada" e Roma deu pouca atenção ao que ocorria em Brasília. Agora, com Prodi, o governo quer retomar o diálogo e lançar projetos de cooperação.Durante o encontro desta segunda em Roma, o ministro das Relações Exteriores da Itália, Massimo D`Alema, apoiou o projeto entre a Petrobras e a Eni. "Temos de promover um salto de qualidade na cooperação econômica com o Brasil. Por isso, acreditamos que seja muito importante concluir o acordo entre a Eni e a Petrobras para a produção de etanol em uma joint-venture ítalo-brasileira a África", afirmou.Para a Itália, um acordo em Moçambique ainda cumpre outro objetivo: o de apoiar o desenvolvimento do país. Roma esteve envolvida desde o processo de paz de Moçambique e é um dos principais financiadores de projetos.No país africano, o embaixador da Itália já se reuniu há poucos dias com o embaixador brasileiro para tratar do assunto. O Itamaraty confirma a informação do interesse italiano, mas prefere manter discrição sobre o conteúdo de um eventual acordo. A Eni também evitou fazer comentários por enquanto sobre o acordo com a Petrobras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.