Itamaraty discute se contestará sobretaxa da UE

O Itamaraty ainda analisa se irá recorrer da decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC), que na segunda-feira considerou procedente a aplicação de sobretaxa, pela União Européia, às exportações brasileiras de conexões de ferro. A empresa brasileira Fundição Tupy foi acusada de ?dumping?. Segundo o subsecretário-geral para assuntos de integração, econômicos e de comércio exterior, embaixador Clodoaldo Hugueney, o Itamaraty analisará junto com a empresa prejudicada "qual o rumo da ação a seguir". O embaixador esclareceu, no entanto, que o laudo da OMC considerou que o Brasil tinha razão em dois pontos questionados em relação ao procedimento da investigação de ?dumping? realizada pela União Européia. Hugueney esclareceu ainda que, em função desses problemas na investigação, a União Européia terá que revisar a sobretaxa. "Não terá que retirar a sobretaxa, mas terá que reavaliá-la", disse. O diplomata não soube informar se haverá uma redução da taxa antidumping de quase 35%, que vem sendo aplicada desde 2000. O ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, disse que ainda não tinha elementos para avaliar a decisão da OMC, mas considerou positivo o fato de o organismo reconhecer que houve erro na maneira pela qual o ?dumping? foi calculado. A OMC determinou à União Européia que corrija a metodologia pela qual calculou a taxa. Lafer destacou que o laudo da OMC ainda é preliminar. Segundo ele, cabe, por parte do Brasil, uma apelação, mas isso será decidido em conjunto com a Fundação Tupy.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.