ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Itambé triplicará resultado com food service em 2017

Na primeira metade do ano, o faturamento da Itambé no segmento dobrou e a perspectiva é fechar 2017 com receita três vezes maior

O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2017 | 05h00

A indústria de lácteos Itambé investe para aumentar sua participação no segmento de food service. “Este mercado vem crescendo a taxas maiores do que as do varejo de alimentos”, afirma à coluna Ricardo Cotta, diretor de Novos Negócios e Relações Institucionais. Na primeira metade do ano, o faturamento da Itambé no segmento dobrou e a perspectiva é fechar 2017 com receita três vezes maior. Nesta toada, Cotta acredita que em três anos o food service representará 15% do faturamento da Itambé. No ano passado, a receita bruta da empresa foi de R$ 3,1 bilhões. Especialmente para o segmento, a Itambé inaugurou, no segundo semestre de 2016, uma fábrica de R$ 10 milhões em Guanhães (MG) e investiu R$ 5 milhões em desenvolvimento de produtos e para treinar pessoal.

Portfólio. Em 2017, a Itambé lançou 12 produtos específicos para o food service e deve apresentar mais dois até dezembro, como requeijão em embalagens de 1,6 quilo e creme de leite gourmet de 1 quilo, com 25% de gordura. Já em 2018 serão 10 a 15 novidades, promete Cotta, o que deve ampliar em 30% o portfólio da Itambé.

Incógnita. Cotta diz que seguirá com o projeto, “independentemente do que ocorrer”. A mexicana Lala comprou a Vigor, que detém 50% das ações da Itambé. A situação do quadro executivo da Itambé, cujos outros 50% pertencem à Cooperativa Central dos Produtores Rurais de MG, dependerá da organização estatutária e da governança com os novos sócios.

Saiu por quê? Nos últimos dias a JBS suspendeu a compra de gado, o que provocou especulações. Para alguns, está clara a relação com a prisão, na semana passada, do presidente da empresa, Wesley Batista, que comandava diariamente as operações com pecuaristas. Para outros, a estratégia é uma forma de tentar segurar novas altas do preço do boi gordo em um momento de fraco consumo doméstico e amplos estoques de carne bovina.

Mangia! Após conquistar mercado com a versão nacional do queijo italiano grana padano, a RAR/Rasip, empresa de alimentos e vinhos do empresário Raul Randon, quer se consolidar no segmento de queijo parmesão premium. O produto foi lançado em julho e há expectativa de encerrar o ano com venda de 300 toneladas no Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e em São Paulo, diz Sérgio Barbosa (foto), diretor superintendente da companhia. Em 2018, deve chegar a 600 t.

Bons ventos. A produção recorde de grãos e o bom desempenho do setor sucroalcooleiro na safra 2016/2017 devem levar a um aumento de 6% a 7% das vendas de máquinas agrícolas este ano, diz o presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Pedro Bastos de Oliveira. Em relação à armazenagem, a expectativa é de crescimento de 10% na receita. Juros mais baixos na linha de crédito oficial para silos, colheita abundante e déficit de armazéns puxam a alta.

Indústria pronta. Apesar do otimismo no campo, Oliveira avisa que não se deve esperar investimentos em ampliação de fábricas ou novas plantas. Como as vendas foram muito fracas em 2015 e 2016, as empresas estão usando cerca de 75% de sua capacidade instalada. “Ainda dá para aumentar a produção sem investir em novas unidades industriais”, diz.

Biodiesel. A indústria de alimentos Caramuru concluiu as obras da terceira unidade de produção de biodiesel de soja em Sorriso (MT), que deve começar a operar em 15 de outubro. A capacidade anual da unidade será de 95,7 mil metros cúbicos, o que aumenta o potencial de produção da Caramuru para 545,7 mil m³. “Nessa fase de vacas magras agricultores da região devem usar o biodiesel para reduzir o custo de produção”, diz à coluna o vice-presidente do Conselho de Administração, César Borges.

Cogeração. A unidade de MT também vai produzir 61.200 MWh de energia via cogeração, utilizando sobras de madeira de terceiros. A Caramuru obteve autorização para transferir 30.873 MWh ao sistema elétrico nacional.

Respiro. As exportações de suco de laranja se recuperaram após a oferta da fruta aumentar 50% em 2017/2018 no Brasil. As vendas globais da bebida nos dois primeiros meses da safra, julho e agosto, cresceram 8% em volume e 24% em receita ante igual período de 2016. Só a União Europeia comprou 6% mais, com receita adicional de 21% para o Brasil, líder de produção da bebida. Os dados são da CitrusBR, associação de empresas do setor.

Mistura. Os Estados Unidos importaram 32% mais suco brasileiro no primeiro bimestre da safra 2017/2018. Por seu gosto e cor, o suco nacional é enviado ao mercado dos EUA para ser misturado à bebida consumida lá, ou mesmo para ser reexportado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.