Andreza Galdeano/Estadão
Andreza Galdeano/Estadão

Itaquera: varejista tem fluxo contínuo, sem multidões

Clientes avaliam ofertas pela internet antes de ir às lojas e comparam os descontos oferecidos nas lojas físicas

Andreza Galdeano, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2018 | 16h25

As lojas da rede Magazine Luiza abriram as portas às 7h desta sexta-feira, esperando boa movimentação com as promoções da Black Friday.  Em uma das unidades localizadas em Itaquera, zona leste de São Paulo, a expectativa é receber mais consumidores no período da noite. 

"Algumas pessoas correram para ver as promoções logo cedo, mas tem muita gente trabalhando ainda. Alguns só vão aparecer mais tarde", conta Olavo Tavares Junior, gerente de loja da rede Magazine Luiza. Para Olavo, o fluxo menor de pessoas entre o período da manhã e da tarde pode ajudar nas vendas. "Apesar de não ter multidões, o movimento está contínuo e fica até melhor para trabalhar. Os clientes escolhem mais à vontade e não pegam fila", explica. 

Comparando o mesmo período de vendas no ano passado, o gerente é otimista. "A expectativa de boas vendas é grande. Estamos mais preparados e com mais ofertas. Já está sendo muito bom", conta. Os produtos mais procurados na loja estão na linha de tecnologia. TVs e celulares entram no ranking dos mais vendidos.

Alguns consumidores são fiéis quando o assunto é ver o produto de perto antes de comprar. Para a dona de casa Claudia Alves, as pesquisas da Black Friday começaram pela Internet e as expectativas de uma boa compra foram frustradas nas lojas físicas. "Comecei a pesquisar os preços agora à tarde, mas já percebi que comprar pela Internet é melhor. Você compara o mesmo produto nos sites e são mais baratos", explica. 

Claudia, que estava em uma das unidades da Magazine Luiza de Itaquera, zona leste de São Paulo, conta que precisa de utensílios domésticos. "Gostaria de comprar panelas e outros produtos de cozinha. Até agora sem sucesso. Mas vou tentar em outras duas lojas para ver", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.