Itaú BBA é o primeiro banco privado brasileiro a atuar na China

O empresário brasileiro Fernão Bracher, que vai "cortar a fita" para inaugurar oficialmente no dia 1º, quinta-feira, o escritório do Banco Itaú BBA, um banco privado em Xangai, disse que a iniciativa pioneira foi motivada pelo crescente interesse mútuo pela busca de negócios entre os empresários dos dois países "Já estamos trabalhando e vamos continuar neste ritmo para ajudar empresários brasileiros que querem estabelecer um negócio neste país e de chineses que desejam fazer o mesmo no nosso País", disse Bracher, que já está em Xangai. Em entrevista por telefone à Agência Estado, o ex-presidente do Banco Central explicou que o Itaú BBA foi para a China após sentir os desejos de seus clientes, que são grandes companhias que se interessaram em negociar com o gigante asiático. "Houve o atendimento de uma exigência dos clientes, por isso estamos por aqui. Sentimos que os clientes que são grandes no Brasil, aqui se ressentem de um apoio para atuarem, porque não tem muita tradição por aqui. Por isso é preciso nossa atuação. Ajudamos a que ele tenha crédito em moeda local. Podem negociar com a moeda do país". A instituição O Itaú BBA é o maior banco de atacado do País e Bracher é um de seus fundadores. A instituição é controlada pelo grupo Banco Itaú Holding Financeira, o qual apresentou um lucro nos primeiros nove meses do ano de US$ 1,7 bilhão e capitalização de US$ 26,7 bilhões. O banco tem escritórios de representação na Argentina e nos Estados Unidos. Entre os produtos que oferece estão os financiamentos de capital de giro, comércio exterior e de projetos, além de derivativos de tesouraria e underwriting de ações e títulos da dívida. O banco também atua como assessoria em fusões e aquisições.

Agencia Estado,

29 Novembro 2005 | 14h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.