Itaú compra private banking do BBVA na América Latina

O Banco Itaú deve anunciar nos próximos dias a compra da área de private banking (voltada a clientes de alta renda) para América Latina do banco espanhol BBVA, localizada em Miami. O valor do negócio é estimado em US$ 1 bilhão. Antes de ser divulgada oficialmente, a transação terá de ser aprovada pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano). No relatório anual relativo ao exercício 2006, o BBVA informa que a área de private banking está dividida em duas sedes: Miami e Suíça (sem especificar a cidade). Em 31 de dezembro do ano passado, o total de recursos administrados pela divisão chegava a 6,2 bilhões de euros. No exercício 2006, a instituição disse que conseguiu captar 126 milhões de euros em novos recursos. O BBVA é o segundo maior banco da Espanha, atrás apenas do Santander (que no Brasil comprou o Banespa no ano 2000 e, mais recentemente, o ABN Amro Real). O BBVA teve uma passagem malsucedida pelo mercado brasileiro. Em 1998, gastou cerca de US$ 1 bilhão para comprar o Excel Econômico, que na época passava por grandes dificuldades. Segundo fontes que acompanharam o negócio, o Itaú enfrentava a concorrência do Santander. O Itaú é o banco privado brasileiro que tem demonstrado mais interesse em expandir-se além das fronteiras do País. Na Argentina, por exemplo, a instituição comanda, desde 1998, o Banco Itaú del Buen Ayre. À época, a aquisição custou cerca de US$ 400 milhões. Nem mesmo a grave crise econômica argentina, a partir de 2001, desencorajou o banco das famílias Villela e Setubal a sair daquele país. O Itaú também comprou em 2006 as operações do BankBoston no Chile e no Uruguai, além da unidade brasileira, que, sozinha, custou R$ 4,5 bilhões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.