Itaú reduz previsão para o PIB deste ano de 1,9% para 1,4%

Na análise do banco, alta nos preços da energia elétrica e situação da Argentina vão impactar o crescimento econômico

BEATRIZ BULLA, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2014 | 02h03

O Itaú Unibanco decidiu reduzir a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano de 1,9% para 1,4%. Entre os fatores citados na pesquisa macroeconômica da instituição, assinada pelo economista-chefe Ilan Goldfajn, estão os preços de energia elétrica e o cenário na Argentina. "A falta de chuvas e a alta dos preços de energia elétrica são um risco. O impacto nas expectativas de crescimento dependerá da evolução das condições climáticas ao longo do ano. O cenário na Argentina é outra fonte de desaceleração do crescimento da economia brasileira", aponta o relatório.

Além disso, a avaliação feita é de que o enfraquecimento dos investimentos e o ajuste de estoques indicam que a economia cresceu abaixo do esperado no quarto trimestre de 2013 "e está crescendo menos no primeiro trimestre deste ano".

A projeção para o crescimento do PIB no quarto trimestre do ano passado foi reduzida de 0,6% para 0,4%, por causa da queda da produção industrial em dezembro. A estimativa para o crescimento em 2013, contudo, se manteve em 2,2%. "Isso reduz o carrego estatístico para 2014", destaca o banco. "Além disso, mesmo considerando uma recuperação forte em janeiro, o desempenho da indústria no primeiro trimestre deverá ser mais fraco do que o antecipado."

Desta forma, a projeção para crescimento do PIB no primeiro trimestre de 2014 foi revisada de 0,4% para 0%. Para 2015, a instituição também revisou a projeção de PIB para 2,0%, de 2,2% previstos anteriormente, por conta da revisão para cima das projeções para taxa de juros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.