Itaú se associa à Lopes para financiar imóveis usados

Ações da imobiliária chegaram a subir 24% ontem de manhã, com o anúncio da sociedade com o banco

Reuters, O Estadao de S.Paulo

29 de dezembro de 2007 | 00h00

O banco Itaú e a imobiliária e consultoria Lopes anunciaram ontem uma parceria para oferta de financiamento imobiliário com ênfase em imóveis usados. O acordo fez o segundo maior banco privado do país rever suas projeções de concessão de crédito ao setor em 2008 para uma alta de 50% em relação a este ano.Esse crescimento é baseado na atual carteira de R$ 2,3 bilhões do Itaú em crédito para imóveis, disse em teleconferência com jornalistas o diretor executivo de crédito imobiliário do banco, Ricardo Marino. Com isso, o banco espera chegar ao final de 2008 com carteira de cerca de R$ 3,45 bilhões no setor."A (parceria com a) Lopes vai contribuir com 10 a 15% desse total", disse Marino, sem informar a estimativa anterior do banco para o crescimento de sua carteira no setor. O acordo dos grupos envolve a formação de joint-venture que promoverá produtos imobiliários da Lopes com financeiros do Itaú. A nova empresa terá participação dividida em partes iguais entre Itaú e Lopes.A expectativa é que a nova empresa comece a operar "o mais rápido possível", disse na teleconferência o diretor de planejamento corporativo da Lopes, Marcelo Leone, sem estimar prazos específicos. Com o anúncio da notícia, as ações ON da Lopes fecharam em alta de 19%. As ações ON do Itaú caíram 1,17%."É uma tacada estratégica do Itaú e o banco demonstra um certo arrojo ao fazer parceria com a maior imobiliária do país, buscando mais um canal de vendas de empréstimos", disse o analista do setor bancário da corretora Ágora, Aloisio Lemos. "Eles focam no segmento muito promissor que é o de imóveis e, mais especificamente, o de usados", acrescentou.Segundo dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), o volume de empréstimos contratados com recursos da caderneta de poupança nos 12 meses encerrados em novembro somou cerca de R$ 17,54 bilhões, expansão de 94% na comparação com os 12 meses anteriores."As condições hoje no Brasil estão bastante favoráveis ao desenvolvimento do setor: controle da inflação, redução de desemprego, aumento de renda e melhora substancial do arcabouço jurídico", disse Marino.Pelo acordo de exclusividade por 20 anos com a Lopes o Itaú aceitou pagar R$ 290 milhões à vista à unidade Sati, da Lopes. Além desse montante, caso a nova empresa atinja metas não divulgadas, a controlada da Lopes poderá receber até R$ 220 milhões ao longo de 10 anos.A Lopes, criada há 70 anos, registrou R$ 3,1 bilhões em vendas contratadas nos nove primeiros meses de 2007. A nova empresa terá diretoria composta por quatro diretores, dois de cada grupo, e força de vendas e estrutura próprias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.