finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Itaú será distribuidor exclusivo da Investidor Profissional

O Banco Itaú anunciou hoje que assinou contrato de exclusividade de distribuição com a Investidor Profissional Gestão de Recursos (IP), uma administradora de recursos independente. Com o acordo, o Itaú deterá a distribuição dos fundos de ações geridos pela IP para investidores institucionais. Isso significa que qualquer cliente institucional, seja fundo de pensão, seguradora ou entidade aberta de previdência complementar, poderá investir nos fundos de ações geridos pela IP, entrando em contato com a equipe de atendimento do Itaú especializada nesse segmento. Os fundos da IP para clientes institucionais privilegiam a compra de papéis de empresas com boa governança corporativa. Segundo a sócia e responsável pela área de análise da IP, Isabella Saboya, os fundos têm hoje cerca de 90% dos recursos alocados em ações e o restante em LFT (títulos públicos indexados a taxa de juros). A média histórica, entretanto, é de 75% em renda variável. De acordo com ela, para escolher os papéis que farão parte do portfólio do fundo, a IP realiza uma análise fundamentalista (do setor e do fluxo de caixa das empresas) e avalia o risco societário, ou seja, as relações entre controladores e acionistas e o grau de governança corporativa. A IP também observa o potencial de alta das ações.Os fundos da IP para clientes institucionais têm hoje 22 papéis no portfólio, sendo que a gestora de recursos indica membro para os conselhos de administração ou fiscal de cerca de oito companhias. Isabella disse que 65% das ações em carteira possuem "tag along", contra porcentual de 25% do Ibovespa. Meta de rentabilidadeA meta de rentabilidade dos fundos é valorização 20% acima do Índice Geral dos Preços de Mercado (IGP-M) a cada cinco anos. Segundo a IP, pesquisa recente da Fundação Getúlio Vargas apontou o IP Participações Institucionais como o fundo de renda variável mais rentável em uma década. O produto, administrado pela Investidor Profissional desde fevereiro de 1993, acumulou rentabilidade de 634% em dólares até agosto de 2003, enquanto que o Ibovespa rendeu 159% em dólares no mesmo período. A rentabilidade ficou 20,45% acima do IGP-M.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.