Reuters
Reuters

Itaú Unibanco revisa expectativas para 2015 e prevê avanço do crédito de no máximo 7%

Carteira de crédito total do banco deve crescer de 3% a 7% e não mais de 6% a 9%, como previsto anteriormente

Aline Bronzati, O Estado de S. Paulo

05 Maio 2015 | 10h09

O Itaú Unibanco revisou, em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras do primeiro trimestre, as expectativas de desempenho para 2015. Tal movimento não era esperado por analistas já que mudanças nos guidances (projeções) ocorrem, geralmente, após os resultados do segundo trimestre, quando as instituições já têm mais indicativos do comportamento do ano.


A carteira de crédito total do Itaú deve crescer de 3% a 7% e não mais de 6% a 9% como previsto anteriormente. Já as despesas com provisões para devedores duvidosos, as chamadas PDDs, devem ser maiores. O banco espera que esses gastos fiquem entre R$ 15 bilhões e R$ 18 bilhões e não mais entre R$ 13 bilhões e R$ 15 bilhões.

Também devem ser maiores, conforme o Itaú, as despesas não decorrentes de juros. O banco espera que esses gastos cresçam de 7,0% a 10,0% neste ano. Anteriormente, a projeção era de aumento de 6,5% a 8,5%.

A boa notícia veio em relação à margem financeira gerencial. O Itaú projeta aumento de 14,5% a 17,5% no indicador ante alta de 10% a 14% inicialmente. Também foi elevada para cima a expectativa para as receitas de serviços e resultado de seguros. O banco espera expansão de 9,5% a 11,5% e não mais de 9% a 11%.

O Itaú explica, em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, que, embora os planos de crescimento e projeções de resultados sejam baseados em premissas da administração e em informações disponíveis no mercado até o momento, tais expectativas envolvem imprecisões e riscos difíceis de serem previstos. É possível, com isso, conforme o banco, que ocorram resultados ou consequências que diferem das metas anunciadas.

Mais conteúdo sobre:
itaú

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.