Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Itaú Unibanco tem lucro líquido de R$ 5,9 bilhões no 3º trimestre

Em relação ao ano passado, a expansão foi de 10%; já no intervalo de janeiro a setembro, lucro subiu 20% na comparação com 2014

Aline Bronzati, O Estado de S. Paulo

03 de novembro de 2015 | 08h09

SÃO PAULO - O Itaú Unibanco informou nesta terça que teve lucro líquido de R$ 5,945 bilhões no terceiro trimestre deste ano, expansão de 10% em relação ao montante visto há um ano, de R$ 5,404 bilhões. Na comparação com os três meses imediatamente anteriores, quando a cifra somou R$ 5,984 bilhões, foi identificado leve declínio de 0,65%.

No terceiro trimestre, os destaques foram, conforme explica o Itaú em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, os crescimentos de 45,7% da margem financeira com o mercado, de 4,4% da margem com clientes e de 2,5% das receitas de prestação de serviços e de tarifas bancárias. "Esses crescimentos foram parcialmente compensados pelos aumentos de 4,1% das despesas de provisão para créditos de liquidação duvidosa e de 9,3% das despesas não decorrentes de juros, principalmente em despesas de pessoal, pelo efeito do reajuste das verbas de remuneração devido à negociação do acordo coletivo", explica o Itaú.

De janeiro a setembro, o lucro líquido do Itaú foi a R$ 17,662 bilhões, incremento de quase 20% ante os R$ 14,722 bilhões registrados no mesmo intervalo do ano passado.

A carteira de crédito total do Itaú Unibanco, que inclui avais, fianças e títulos privados, encerrou setembro com saldo de R$ 590,674 bilhões, alta de 4,3% na comparação com a cifra de junho, de R$ 566,556 bilhões. Em um ano, quando estava em R$ 536,287 bilhões, os empréstimos tiveram alta de 10,1%. Se calculada  com base na conversão da carteira em moeda estrangeira (dólar e moedas dos países da América Latina), foi vista retração de 1,1% e 0,4%, respectivamente.

O Itaú Unibanco alcançou R$ 1,323 trilhão em ativos totais ao término de setembro, cifra 14,3% maior que a vista em um ano, de R$ 1,158 trilhão. Na comparação com junho, quando somou R$ 1,231 trilhão, foi identificado crescimento de 7,5%.

O patrimônio líquido do banco fechou o terceiro trimestre em R$ 103,353 bilhões, aumento de 13,9% em 12 meses e 2,6% ante o trimestre anterior. O retorno sobre o patrimônio líquido médio anualizado (ROE) foi a 23,3% no terceiro trimestre ante 24,2% no segundo trimestre. Há um ano, estava em 24,5%.

Resultado recorrente. O Itaú anunciou também lucro líquido recorrente de R$ 6,117 bilhões no terceiro trimestre, aumento de 12,1% em relação ao mesmo período do ano passado, de R$ 5,457 bilhões. Ante o segundo trimestre, de R$ 6,134 bilhões, foi registrada queda de 0,3%.

Dentre os eventos não recorrentes no terceiro trimestre ante um ano, o Itaú cita, em relatório que acompanha suas demonstrações contábeis, efeito no saldo de crédito tributário, em função da elevação da alíquota de contribuição social, de 15% para 20%, de  R$ 3,988 bilhões, provisão complementar para devedor duvidoso (PDD) de R$ 2,793 bilhões, R$ 540 milhões em provisões para perdas decorrentes dos planos econômicos e outros.

No acumulado do ano até setembro, o lucro líquido recorrente do banco foi a 17,662 bilhões, alta de 20,7% em 12 meses. "A evolução desse resultado deve-se principalmente ao crescimento de 16,9% do produto bancário, compensado parcialmente pelos aumentos de 24,7% das despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa e de 8,5% das despesas não decorrentes de juros", justifica o banco.

O retorno (ROE) recorrente do Itaú ficou em 24,0% ao final de setembro contra 24,8% ao término de junho. Em um ano, quando estava em 24,7%, recuou 0,7 p.p.

Mais conteúdo sobre:
Itaúlucro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.