Itaú Unibanco volta a financiar veículos novos em 72 meses

Plano exige 20% do valor do carro com juros de 1,57% ao mês; usados mantêm prazo máximo em 60 meses

Ana Paula Ribeiro, da Agência Estado,

15 de maio de 2009 | 13h55

O Itaú Unibanco voltará a financiar veículos novos em 72 meses a partir deste final de semana. Essa linha estava suspensa desde outubro do ano passado, mas com a sinalização de retomada do crescimento econômico no segundo semestre a instituição decidiu ampliar o prazo máximo, que era de 60 vezes. "Isso foi possível porque os consumidores estão mais conscientes. Não compram apenas por impulso", afirmou o vice-presidente executivo do Itaú Unibanco, Marco Bonomi, à Agência Estado.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

O efeito do alongamento dos prazos será de reduzir o valor da parcela em cerca de 10% na comparação com um plano de 60 meses. "Parece pouco, mas isso significa a entrada de 2 a 3 milhões de potenciais consumidores", disse Bonomi.

 

Antes do alongamento dos prazo, a instituição esperava que essa carteira crescesse cerca de 13% no ano. Agora, a expectativa foi elevada para 15%. E nova revisão poderá acontecer, a depender da retomada da confiança da população na economia. No primeiro trimestre, o crescimento desses financiamentos foi de 1,9% na comparação com o estoque de dezembro.

 

Outro fator que pesou na decisão de ampliar o prazo é o comportamento da inadimplência. Segundo o executivo, os financiamentos feitos a partir de outubro apresentam níveis inferiores de atrasos. A maior qualidade decorre do aumento das exigências, como maior entrada e análise do perfil do comprador, e também dessa melhora no comportamento dos consumidores.

 

Bonomi explicou que a maior inadimplência está nos créditos concedidos em 2007 e no início de 2008, quando as exigências eram menores. "A inadimplência subiu no estoque desse período. Na nova safra a qualidade é excelente", disse. O executivo não revelou qual a taxa de inadimplência da carteira de veículos da instituição. Afirmou apenas que ela estava próxima à media do sistema. Segundo dados do Banco Central, os atrasos acima de 90 dias chegaram a 5,1% do estoque dos empréstimos concedidos para a compra de automóveis.

 

O Itaú Unibanco não pretende voltar a trabalhar com planos sem entrada. No plano de 72 meses, é exigido 20% do valor do veículo. Segundo Bonomi, a média dos contratos para o financiamento de veículos novos é de uma entrada de 35%. A taxa de juros será de 1,57% ao mês. Para os usados, o prazo máximo permanece em 60 parcelas mensais. O Itaú Unibanco detinha ao final do terceiro trimestre uma carteira de R$ 52 bilhões, cerca de um terço do mercado. Desse total, 65% foi concedido para automóveis zero quilômetro.

 

Bonomi espera ainda que o alongamento dos prazos dê um impulso para a indústria automobilística. Nos últimos anos, o crescimento desse setor foi beneficiado pela maior oferta de crédito. Segundo ele, pela manhã comunicou o presidente da Fiat, Cledorvino Belini, sobre a volta do parcelamento de 72 meses. A notícia foi recebida com otimismo. Segundo o executivo do Itaú Unibanco, Belini respondeu que com isso teria até que produzir mais veículos.

Tudo o que sabemos sobre:
Itaú Unibanco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.