Itaú vai reformar mais 600 agências

Após o fim da integração com o Unibanco, que resultou na transformação de 1,2 mil agências e postos de atendimento bancário (PABs) em unidades Itaú, o Itaú Unibanco continuará em obras. Segundo o vice-presidente da instituição, Geraldo Carbone, 600 agências deverão ser reformadas em 2011. A ideia é, aos poucos, adequar as 5 mil unidades de atendimento do banco, incluindo PABs, ao design criado para "acolher" os clientes Unibanco. "A ideia era mostrar que se tratava de um novo banco. Por isso, as agências ficaram mais agradáveis, com mais tecnologia e, onde a segurança permitiu, saíram as portas giratórias", afirmou Carbone ao repórter Fernando Scheller.

Clayton Netz, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2010 | 00h00

Embora o processo de integração - que será celebrado em uma campanha em TV, rádio e internet nas próximas duas semanas - tenha eliminado a marca Unibanco, alguns serviços criados pelo banco da família Moreira Salles foram incorporados ao Itaú: o Uniclass atenderá clientes "emergentes", com renda acima de R$ 4 mil e necessidades de crédito para realização de metas, como a compra de um automóvel ou o financiamento da casa própria. Ao todo, serão cerca de 1,2 mil espaços Itaú Uniclass nas agências do banco no País.

As novas unidades do Itaú ganharam, na porta dos caixas eletrônicos, a expressão "30 horas", cunhada pelo Unibanco para ressaltar que, embora as agências só abram por seis horas, o cliente pode ser atendido por telefone, internet e terminais de autoatendimento.

O vice-presidente do Itaú Unibanco disse que a manutenção da marca Itaú em detrimento à do Unibanco foi 100% técnica. "A marca do Itaú tem todos os ingredientes: poucas letras, muitas vogais e uma identidade visual forte. O laranja é quase uma propriedade do banco. Decidimos usar o Itaú como marca e manter Itaú Unibanco na corporação", afirmou Carbone. "Mas, se o contrário fosse verdade, não teríamos problema em gastar mais e transformar as 3,8 mil agências Itaú em Unibanco."

Dos cerca de 16 milhões de correntistas do Itaú, 4 milhões vieram do Unibanco. Para incorporar esse contingente, o banco treinou os call centers para "falar a língua" dos dois bancos. "O cliente Unibanco usava mais as agências e o serviço telefônico, porque a rede era menor", diz Carbone. "Com mais caixas eletrônicos, o padrão mudou. O incômodo dura de três a cinco meses."

Outra arma para deixar o correntista tranquilo foi manter os gerentes do Unibanco à frente das agências. Segundo ele, valeu perder conhecimento técnico da nomenclatura dos serviços Itaú para ganhar em identificação. "A conta, o telefone de contato e as senhas tinham mudado. Não convinha mudar o gerente também", disse Carbone.

EXECUTIVOS

Bicudo muda alta direção da Philips

O executivo brasileiro Vitor Rocha é o novo vice-presidente da divisão de Cuidados com a Saúde da Philips do Brasil. Rocha foi recrutado na GE americana para ocupar o lugar de Daurio Speranzini Júnior, responsável pela montagem do polo de fabricação de equipamentos médicos da Philips no País, com a aquisição de quatro empresas - VMI, Dixtal, Tecso e Wheb - desde 2007. A saída de Speranzini Júnior, que foi acompanhada pelo desligamento do CFO da divisão, Ricardo Turra, é o mais recente capítulo da renovação da alta direção da subsidiária brasileira do grupo holandês, iniciada com a chegada do CEO Marcos Bicudo, em julho de 2009. Antes dele, deixaram a empresa a vice-presidente de RH, Célia Silvério, o vice-presidente da divisão de Consumo e Estilo de Vida, Paulo Ferraz, hoje na presidência da Epson, e José Fuentes, atual vice-presidente de eletrônicos da Samsung. Dos principais executivos herdados por Bicudo, apenas Fernando Stinchi, do setor de iluminação, continua na companhia.

MÓVEIS

Irani investe em marcenaria de luxo

A Meu Móvel de Madeira (MMM), subsidiária da Celulose Irani, de Santa Catarina, criada em 2006 para vender móveis ecologicamente corretos pela internet, está lançando uma marca premium para atender a uma clientela de alto poder aquisitivo. A ideia é produzir uma linha de maior valor agregado, feita com madeira do tipo Teca, que custa quatro vezes mais que os tradicionais pinus e eucalipto. O e-commerce foi a solução encontrada para enfrentar a crise internacional e a desvalorização do dólar, que diminuiu a competitividade do polo moveleiro dos municípios de Rio Negrinho, sede da MMM, e São Bento do Sul, que respondiam por 80% das exportações de móveis do País até 2008. No ano passado, a Irani, empresa mãe da MMM, faturou R$ 484 milhões.

EVENTOS

Casa Cor chega a Punta del Este

A Casa Cor, maior promotora de exposições de decoração e arquitetura da América Latina, que já conta com franquias no Panamá, Chile e Peru, vai fincar sua bandeira em Punta del Este, no Uruguai. O evento será aberto em plena temporada de verão, no dia 26 de dezembro, no hotel San Raphael. Antes disso, as atenções estarão concentradas no Casa Trio, marcado para o período de 8 a 30 de novembro, no Jockey Club de São Paulo. Como o nome indica, o Casa Trio reunirá três eventos em um: os já tradicionais Casa Boa Mesa, voltado para a culinária, o Casa Office, dedicado a escritórios, e uma novidade, o Casa Festa. "Cada vez mais, as pessoas estão abrindo suas residências para comemorações de negócios", diz Ângelo Derenze, presidente da Casa Cor.

INFRAESTRUTURA

Copa conectada, mas com diferenças

A diferença na infraestrutura oferecida pelas 12 cidades-sede da Copa também se repete nas telecomunicações. Segundo levantamento da chinesa Huawei, que mapeou a qualidade da banda larga móvel em 1223 quilômetros de vias, para o torcedor que estiver em Salvador, 36 segundos é o tempo máximo para abrir uma página da internet. Para o de Porto Alegre, varia entre 5 e 13 segundos. A pesquisa completa, que mediu o acesso a internet, e-mails e outros aspectos de conectividade, será apresentada durante a Futurecom, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.