Fernando Frazão/Agência Brasil
Fernando Frazão/Agência Brasil

Ivan Monteiro aprova consulta pública sobre periodicidade no reajuste de combustíveis

Novo presidente da Petrobrás também negou que tenha discutido cessão onerosa com o presidente do Senado, Eunício de Oliveira (MDB-CE), com quem se encontrou nesta terça-feira, 12

Idiana Tomazelli e Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

12 Junho 2018 | 16h27
Atualizado 12 Junho 2018 | 18h40

O presidente da Petrobrás, Ivan Monteiro, disse nesta terça-feira, 12, que a companhia dá apoio à decisão da Agência Nacional de Petróleo (ANP) de abrir uma consulta pública sobre a periodicidade do reajuste dos combustíveis e vai contribuir para as discussões com a agência reguladora e com membros da sociedade. 

+ Petroleiros preparam nova greve e dizem que podem 'parar o Brasil'

Monteiro fez uma visita de cortesia ao presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), um dos críticos dos aumentos considerados excessivos no preço dos combustíveis. Eunício chegou a comemorar a demissão de Pedro Parente, antecessor de Monteiro no cargo.

"Foi uma conversa muito transparente. O presidente externou preocupações naturais em decorrência do que aconteceu na greve dos caminhoneiros e houve uma troca de informações muito importante", disse o presidente da Petrobrás.

Após o encontro, o presidente do Senado defendeu uma "previsibilidade" na política de reajustes da companhia. "Apesar de todo respeito que eu tenho pela empresa, nós estamos preocupados com o consumidor. A Petrobrás errou quando fez vários aumentos no preço da gasolina", disse após se encontrar com o novo presidente da estatal, Ivan Monteiro. Para Eunício, deveria ser papel da ANP, agência reguladora do setor, regular também o preço dos combustíveis.

+ Especialistas celebram resultado do leilão de blocos do pré-sal

Ivan Monteiro disse também que informou a Eunício sobre a iniciativa da companhia de abrir o mercado de refino no Brasil, em busca de parceiros em refinarias no Sul e no Nordeste. Ele também comentou o apoio à ANP.

"Disse para ele que Petrobrás apoia essa iniciativa e vai aguardar o resultado final da consulta pública, que é liderada pela ANP, e vai contribuir fortemente para essa discussão", afirmou.

A Petrobrás pretende contribuir com informações do mercado, em que é o principal ator por meio da BR Distribuidora, e com sua expertise técnica. "Vamos contribuir porque acreditamos que a iniciativa da ANP é muito importante e é ela que vai auxiliar na solução dessas questões. Discussão aberta com a sociedade é o único caminho", disse Monteiro.

+ ‘Reajustes periódicos podem ser uma boa solução’, diz ex-presidente da EPE

Cessão onerosa. O presidente da Petrobras, Ivan Monteiro, evitou comentar informações de que as negociações para a revisão do contrato de cessão onerosa com a União travaram em torno da definição da moeda de referência para o pagamento de todas as obrigações.

Como mostrou o Estadão/Broadcast, a diferença em utilizar dólar ou real para as dívidas da Petrobras com a União, por exemplo, corresponderia a cerca de R$ 6,5 bilhões. A divergência em torno da moeda de referência foi confirmada à reportagem pelo ministro das Minas e Energia, Moreira Franco.

Monteiro disse que não teve nenhuma discussão sobre cessão onerosa com o emedebista. Confrontado com as informações sobre a divergência em torno da moeda, ele não quis comentar. "Prefiro me ater às discussões que tive com o senador", afirmou.

A revisão do contrato de cessão onerosa, que transferiu à Petrobras sem licitação o direito de explorar 5 bilhões de barris em seis áreas do pré-sal da Bacia de Santos, é apontada como uma das grandes prioridades do governo federal para este ano. O acordo é pré-requisito para destravar o megaleilão do pré-sal, que pode arrecadar até US$ 100 bilhões segundo estimativa do governo.

Intervenção. Ivan Monteiro disse mais tarde que a companhia vai aguardar o resultado da consulta pública liderada pela ANP sobre o preço dos combustíveis para então iniciar uma discussão interna sobre o tema. Ele ressaltou, porém, que o próprio diretor-geral da ANP, Décio Oddone, indicou que não há espaço para interferência nos preços da empresa.

"É importante permitir que a ANP evolua na consulta pública. Ao final vamos discutir internamente, lembrando que a Petrobras atua para o atendimento de consumidores", disse Monteiro, que se reuniu com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). "É importante participar dessa discussão para que ao final, ouvida a sociedade como um todo, a gente possa discutir internamente e avaliar o novo contexto que vai sair ao final da consulta pública."

Mais conteúdo sobre:
combustível Petrobrás Ivan Monteiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.