Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Ivan Zurita deixa o comando da Nestlé

Executivo, que entrou na empresa como estagiário há 40 anos, passa o bastão ao mexicano Juan Carlos Marroquin

LÍLIAN CUNHA, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2012 | 03h05

A Nestlé confirmou ontem que após uma carreira de quase 40 anos, Ivan Fábio Zurita, presidente da empresa no Brasil, decidiu aposentar-se. A partir de 1º de julho, ele deixa o cargo - que será assumido por Juan Carlos Marroquin Cuesta, atual presidente da Nestlé no México - e permanecerá na empresa como presidente do conselho consultivo da Nestlé Brasil.

Em nota, a Nestlé informou que "desde que assumiu a presidência, em 2001, Zurita quadruplicou o resultado da empresa, que atingiu R$ 20,5 bilhões em 2011". Sem quantificar, o comunicado afirma também que o "executivo atraiu para o Brasil grandes investimentos em aquisições e construção de oito novas fábricas, totalizando hoje 31 unidades industriais no País".

Segundo uma fonte do setor de alimentos, amigo de Zurita, o executivo deixará o cargo contrariado, pois não queria sair. Para uma outra fonte, o motivo da mudança no comando da segunda operação mundial da líder global de alimentos seriam as aquisições que Zurita teria deixado de fazer. "Ele fez apenas pequenas aquisições. A da Garoto, fechada há oito anos, continua pendente no Cade", disse, se referindo ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica.

"Não tenho planos de me aposentar tão cedo", disse Zurita em uma entrevista concedida em 2010. Filho de um fazendeiro que chegou a ser prefeito de Araras, no interior de São Paulo, Zurita disse que faz jornadas de até 14 horas na Nestlé. "Adoro trabalhar. Chego de Araras toda segunda-feira, bem cedo, e fico aqui até tarde. Mas não vejo o tempo passar, porque gosto do que faço", afirmou ele na época. Ontem, não quis dar entrevistas.

As informações de que ele teria sido pego de surpresa pela decisão da matriz, em Vevey, na Suíça, foram rebatidas pela Nestlé Brasil. Zurita, embora não tenha revelado razões, teria pedido espontaneamente para se aposentar, segundo comunicou a assessoria de imprensa da multinacional suíça no Brasil.

Brasileiros. Com o mexicano Cuesta assumindo a direção da companhia, a Nestlé deixa de ser comandada por brasileiros - o que não acontecia desde 1997, quando o paulistano Ricardo Gonçalves assumiu o posto do suíço Roland Meyes, falecido naquela ano. Gonçalves foi o antecessor de Zurita, que assumiu a empresa aos 49 anos.

Zurita ingressou na Nestlé aos 17 anos, como estagiário da área de pesquisa de mercado, entrevistando consumidores nas ruas. Passou 17 anos trabalhando para a companhia em diversos países, como Chile, Suíça e México, onde também foi presidente da operação, antes de assumir o cargo no Brasil.

Marroquin Cuesta é o atual presidente da Nestlé no México, cargo que ocupa desde 2007. Entrou para a multinacional de alimentos em 1985 e passou por diversos países até ser nomeado, em 2001, presidente da Nestlé na Venezuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.