Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Japan Airlines, maior companhia aérea da Ásia, pede concordata

Ações da empresa caíram mais de 90% desde o início do mês; reestruturação permitirá manutenção dos voos.

BBC Brasil, BBC

19 de janeiro de 2010 | 08h15

A Japan Airlines (JAL), a maior companhia aérea da Ásia, decidiu nesta terça-feira entrar com um pedido de concordata.

Todos os membros da direção da companhia também aprovaram um pedido de demissão coletivo.

O ministro dos Transportes do Japão, Seiji Maehara, deve anunciar formalmente as decisões em um pronunciamento ainda nesta terça-feira.

Uma organização financiada pelo Estado para recuperação de empresas também anunciou planos de injetar cerca de 300 bilhões de ienes (cerca de R$ 5,8 bilhões) na JAL.

As ações da JAL caíram para um recorde mínimo histórico, após perderem mais de 90% de seu valor desde o início do mês, deixando o valor total da companhia em cerca de R$ 265 milhões, menos do que o valor de um avião jumbo novo.

A Bolsa de Valores de Tóquio anunciou que as transações com as ações da companhia deverão ser suspensas a partir do mês que vem.

A JAL é uma das várias grandes companhias aéreas internacionais seriamente atingidas pela queda na demanda de passageiros em consequência da crise econômica mundial.

Voos normais

O governo do Japão diz que os voos da JAL continuarão normalmente após a companhia começar sua restruturação.

A direção da JAL ainda não se pronunciou oficialmente.

Com dívidas de US$ 16,5 bilhões (cerca de R$ 29 bilhões), a companhia aérea deve se tornar uma das maiores empresas japonesas a pedir concordata.

Cerca de 15 mil empregados da companhia, ou um terço de sua força de trabalho, devem perder o emprego durante a restruturação, segundo o correspondente da BBC em Tóquio, Roland Buerk.

Segundo Buerk, com a restruturação a JAL deverá receber uma injeção de dinheiro público, mas muitos bancos credores da companhia terão que admitir perdas.

Apesar de a solução da concordata, apoiada pelo governo japonês, permitirá à empresa continuar operando, muitos investidores perderão seu dinheiro.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.