Japão ainda avalia fábrica de semicondutores no Brasil

Ainda está longe de ser cumprida a promessa dos japoneses de construir uma fábrica de semicondutores no Brasil em troca da adoção de sua tecnologia na TV digital. A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou hoje que a Toshiba vai realizar no País apenas uma das etapas de fabricação dos chips, a do desenho, que seria acompanhada das demais no futuro. "Sabemos que precisamos formar recursos humanos para termos condições de absorver todas as etapas", declarou Dilma, durante entrevista coletiva em Tóquio, onde cumpriu uma agenda de encontros com ministros e empresários do Japão.Antes da entrevista, Dilma representou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cerimônia de comemoração dos 100 anos da imigração japonesa para o Brasil. Em seu discurso, a ministra disse que a escolha do modelo de TV digital demonstra a confiança que o governo brasileiro deposita na cooperação do Japão. "Do lado brasileiro, essa decisão levou em conta um aspecto fundamental: a possibilidade de incluir inovações tecnológicas brasileiras, potencializando o esforço de incentivar a indústria de componentes eletrônicos e de semicondutores."A ministra disse que governo japonês está tentando identificar empresas médias que possam fabricar os conversores de TV analógica para o sinal digital a um preço entre US$ 50 e US$ 100, o que beneficiaria o consumidor brasileiro. Segundo ela, existem no Japão 36 milhões de pessoas que ainda possuem aparelhos com sinal analógico. No Brasil, a ministra calcula que pouco mais de 60 milhões, dos 80 milhões de aparelhos de TV, não serão trocados por digitais em um primeiro momento. Com isso, os dois países somados teriam um mercado de cerca de 100 milhões de consumidores para os conversores."Para nós, a questão do preço do conversor é importante porque é a condição de massificação", observou a ministra. Segundo Dilma, o governo estuda a possibilidade de conceder isenção fiscal para as empresas que decidam fabricar o conversor no Brasil, o que poderia reduzir ainda mais o seu preço.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.