Japão aprova novo pacote de US$ 54 bi contra recessão

Dinheiro se soma aos US$ 255 bi anteriores e deve ser usado para cortes de impostos, empréstimos e benefícios

Da BBC Brasil, BBC

20 de dezembro de 2008 | 10h18

O governo japonês aprovou um novo pacote de US$ 54 bilhões (R$ 130 bilhões), em mais uma tentativa de combater os efeitos da recessão. A verba extra aprovada pelo Parlamento deve ser usada para ajudar a financiar cortes de impostos para proprietários de imóveis, empréstimos a pequenas empresas e benefícios para desempregados.       Veja também: Japão elabora orçamento anticrise de quase US$ 1 tri Governo dos EUA dá ajuda de US$ 17,4 bi às montadoras De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise    Na semana passada, o Japão ampliou o pacote de estímulo econômico em US$ 255 bilhões e, na sexta-feira, o Banco Central do Japão anunciou um corte na taxa de juros de 0,3% para 0,1%, além do aumento da compra de ações do governo japonês de 1,2 trilhão de ienes para 1,4 trilhão (equivalente a US$ 15,7 bilhões) por mês. O governo japonês prevê que a economia do país vai ter crescimento zero no ano fiscal que começa em abril de 2009 termina em março de 2010. Esta é a primeira previsão de não-crescimento do PIB por parte do governo japonês em sete anos. Os planos de gastos do governo japonês para enfrentar a crise vão obrigar o país a recorrer a empréstimos e as altas somas em questão já geraram críticas ao primeiro-ministro Taro Aso mesmo dentro de seu próprio partido. O premiê enfrenta uma forte queda de popularidade entre os eleitores. A partir de 2001, o Japão teve o maior período de crescimento econômico de sua história desde a Segunda Guerra Mundial, mas a era de bonança terminou com a crise das hipotecas, que começou há um ano. A economia japonesa sofreu com uma queda nas exportações e entrou em recessão, com dois trimestres consecutivos de crescimento negativo.     BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.