Japão aprova pacote de estímulo de US$ 29 bi

Japão aprova pacote de estímulo de US$ 29 bi

Governo espera que o plano de estímulo impulsione o PIB em 0,7%

Takaya Yamaguchi e Tetsushi Kajimoto, Reuters

27 Dezembro 2014 | 15h04

O governo do Japão aprovou neste sábado, 27, um pacote de estímulo nos gastos no valor de US$ 29 bilhões, destinados a ajudar as regiões menos desenvolvidas e as famílias do país com subsídios, mercadorias e outras atividades, mas analistas estão céticos sobre o quanto isso pode estimular o crescimento.

O pacote de 3,5 trilhões de ienes (US$ 29,12 bilhões) foi revelado duas semanas após uma vitória eleitoral maciça da coalizão governista do primeiro-ministro, Shinzo Abe, que lhe rendeu um novo mandato. O governo disse que espera que o plano de estímulo impulsione o PIB do Japão em 0,7%.

Considerando as finanças públicas ruins do Japão, o governo vai evitar a emissão de dívida e financiará o pacote com o dinheiro não gasto de orçamentos anteriores e as receitas fiscais que excederam as previsões orçamentais devido à recuperação econômica.

Com as eleições locais em todo o país previstas para abril, nas quais o bloco de Abe deve vencer para consolidar seu controle do poder, os pacotes de subsídios aos governos regionais buscam estimular o consumo privado e apoiar as pequenas empresas.

Do total, 1,8 bilhão de ienes serão gastos em medidas como a distribuição de cupons para comprar mercadorias, subsídios para a compra de combustível às famílias de baixa renda e financiamento a pequenas empresas.

Os 1,7 bilhão restantes serão usados para a prevenção de desastres e reconstrução das áreas afetadas, incluindo as atingidas pelo tsunami de março de 2011.

Tóquio também buscará reforçar o mercado imobiliário, diminuindo as taxas de hipoteca oferecidas por uma agência de crédito à habitação governamental.

"É melhor do que não fazer nada, mas não acredito que este estímulo terá um grande impacto no impulso da economia", disse Masaki Kuwahara, economista da Nomura Securities.

Mais conteúdo sobre:
Japãoeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.