Benoit Tessier/Reuters
Benoit Tessier/Reuters

Após roubo de criptomoedas, Japão aumenta rigidez sobre a fiscalização de corretoras

Ação ocorre após 58 bilhões de ienes (US$ 530 milhões) em moedas virtuais terem sido hackeadas no começo deste ano

Associated Press, Estadao Conteudo

08 Março 2018 | 03h50

O governo do Japão penalizou diversas corretoras de criptomoedas e apertou a fiscalização depois que 58 bilhões de ienes (US$ 530 milhões) em moedas virtuais foram roubadas por hackers no começo deste ano. Nesta quinta-feira, 8, a Agência de Serviços Financeiros, órgão responsável por monitorar o mercado, disse que a FSHO e a Bit Station foram obrigadas a suspender suas operações por um mês.

Cinco outras corretoras, incluindo a Coincheck, alvo do roubo milionário, foram obrigadas a aprimorar suas operações. As empresas precisam apresentar até o dia 22 de março um plano de melhoria de seus serviços ao órgão.

+++ Polícia investiga o que seria primeiro roubo de bitcoin à mão armada no Reino Unido

De acordo com a agência, a FSHO não estava monitorando apropriadamente as negociações e não tinha feito treinamento de seus funcionários. Já sob a Bit Station paira a acusação de que um de seus funcionários teria usado bitcoins para uso pessoal.

O Japão é uma exceção no mundo por ter abraçado as criptomoedas e criado um sistema de licenciamento para supervisionar seu uso. Segundo estimativas de especialistas, cerca da metade das negociações de bitcoin do globo é feita em ienes.

+++ Grupo de cantoras japonesas perde dinheiro com roubo ao site Coincheck

Na contramão, alguns países têm atacado tais moedas, como a China, enquanto outros, como os Estados Unidos, têm sido mais cautelosos e as incentivam de forma limitada./Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.