Manjunath Kiran/ AFP
Manjunath Kiran/ AFP

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Japão condena fuga 'injustificável' de Carlos Ghosn

Através de uma declaração oficial, Ministra da Justiça japonesa afirmou que país garante direitos humanos dos réus e que empresário perdeu direito a fiança ao fugir 

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2020 | 09h16

TÓQUIO - Quase uma semana após o ocorrido, as autoridades do Japão condenaram neste domingo, 5, a fuga "injustificável" de Carlos Ghosn para o Líbano e rejeitaram suas acusações contra a Justiça japonesa.

O ex-presidente das montadoras Renault e Nissan chegou ao Líbano na última segunda, em circunstâncias ainda pouco claras. Ghosn não tinha permissão de deixar o Japão, onde estava em liberdade condicional desde o final de abril de 2019, à espera de julgamento por delitos financeiros.

"O sistema penal do nosso país dispõe de procedimentos adequados para estabelecer a verdade nos casos e é administrado corretamente, de modo a garantir os direitos humanos fundamentais. A fuga de um réu em liberdade sob fiança é injustificável", afirmou, em comunicado, a ministra da Justiça japonesa, Masako Mori.

As autoridades japonesas não puderam traçar a saída do território de Carlos Ghosn e, portanto, suspeita-se que ele tenha usado "meios ilegais" para deixar o país, afirmou.

"É extremamente lamentável que tenhamos chegado a essa situação", acrescentou. A ministra também confirmou o cancelamento da fiança de Carlos Ghosn e a emissão de um "alerta vermelho" da Interpol para solicitar sua prisão.

"Não sou mais refém de um sistema judicial japonês parcial, onde prevalece a presunção de culpa, a discriminação é generalizada e os direitos humanos não são respeitados", disse Ghosn na terça-feira.

Segundo as autoridades turcas, dois estrangeiros o ajudaram em seu itinerário até Istambul. Na última quinta, o caso rendeu a prisão de sete indivíduos na Turquia, dos quais quatro são pilotos. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.