Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Japão descarta intervenção no câmbio antes do dia 27

O Japão não deve intervir nos mercados de câmbio para enfraquecer o iene antes da próxima quinta-feira, afirma Yujiro Goto, da Nomura Securities. "As autoridades japonesas vêm enfatizando que uma das maiores razões da recente valorização do iene são os problemas fiscais/financeiros da Europa", diz Goto. "Temos um grande evento de risco até a próxima quarta-feira e a intervenção no câmbio antes disso poderia ter impacto limitado."

REGINA CARDEAL, Agencia Estado

21 de outubro de 2011 | 13h01

Goto aponta para uma reunião prevista do Banco do Japão (BOJ, o banco central) para a próxima quinta-feira como um possível ponto em que a ação poderá ser adotada. O BOJ poderá também afrouxar a política monetária ao mesmo tempo, acrescenta. O dólar atingiu hoje recorde de baixa ante o iene, sendo negociado a 75,78 ienes.

Ontem, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disseram que estudam um plano abrangente para solucionar a crise da dívida na zona do euro. Essa proposta deve ser aprovada em uma segunda reunião da cúpula da União Europeia, marcada para a quarta-feira.

Em um comunicado conjunto, Sarkozy e Merkel afirmaram ontem que o plano, que inclui medidas para reforçar os bancos europeus e um fundo de resgate mais poderoso, será revisado pelos líderes europeus em um primeiro encontro, que já estava previsto para o próximo domingo. O objetivo é "alcançar um acordo definitivo entre os chefes de Estado e governo durante uma segunda reunião, na quarta-feira, no máximo". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãocâmbiodesvalorização

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.