coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Japão deve desistir de retaliar EUA

O Japão está preparado para formalmente se abster de impor as sobretaxas a produtos dos EUA que estavam planejadas como uma decisão de retaliação contra as tarifas de salvaguarda norte-americanas sobre as importações de aço, informou a agência Kyodo News. Com Tóquio próximo de desistir da ação contra os EUA e a com a União Européia também procurando evitar medidas retaliatórias semelhantes, a disputa internacional sobre o aço caminha para um fim, diz a agência. A posição do governo japonês se segue à decisão de Washington ontem de acrescentar 68 tipos de produtos de aço japoneses à lista de exclusões das sobretaxas de salvaguarda. O volume de exportações para os EUA no ano passado desses produtos foi de cerca de 54 mil toneladas, afirma a Kyodo. O ministro do Comércio do Japão, Takeo Hiranuma, comemorou a decisão dos EUA e disse que "nós vamos continuar a fazer o maior esforço para resolver o problema através do diálogo", informou a agência. Em protesto contra a decisão dos EUA em março de criar sobretaxas de salvaguarda de até 30% sobre produtos de aço, tanto o Japão quanto a União Européia haviam notificado a Organização Mundial do Comércio (OMC) sua intenção de criar sobretaxas correspondentes contra os produtos dos EUA, procedimento garantido pelas regras da OMC. A reação contrária do Japão deveria ser efetivada em 18 de junho, mas Tóquio tem adiado a decisão na expectativa de que os EUA estendam a exclusão para os produtos japoneses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.