bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Japão faz pior avaliação para economia do país desde 1975

Segundo relatório, piorou as avaliações para o consumo, para as importações e para o desempenho global

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

19 de fevereiro de 2009 | 12h12

O governo do Japão piorou sua visão para as perspectivas para a economia do país em fevereiro, pelo quinto mês seguindo, o período mais longo de avaliações negativas desde 2001, utilizando, desta vez, da mais grave linguagem desde janeiro de 1975. A maior economia da Ásia está "piorando rapidamente em uma severa situação", disse o relatório do governo sobre as condições econômicas. Em janeiro, o governo descreveu a economia apenas como "piorando rapidamente".   Veja Também: Japão decide manter taxa em 0,1% ao ano De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise   Com a crise econômica global levando o Japão para uma recessão mais profunda e generalizada, na avaliação setorial, o relatório do gabinete do governo piorou as avaliações para o consumo, para as importações e para o desempenho global. O aumento do pessimismo presente no relatório pode alimentar expectativas de que o primeiro-ministro Taro Aso, em breve, irá lançar um quarto pacote de estímulo.   "Está ficando claro que a deterioração econômica, anteriormente concentrada no setor corporativo, está contaminando as famílias, disse o relatório. Assim, a avaliação para o consumo foi reduzida para "caindo moderadamente", de "em tom modesto recentemente".   A avaliação para as importações foi cortada para "caindo", ao invés de "caindo moderadamente", porque as companhias e os consumidores estão reduzindo os gastos com produtos estrangeiros, disse o relatório do governo. Para a economia global, o relatório considera que a desaceleração está "aprofundando-se rapidamente". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãoeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.